Voltar ao Início

Você está em:

A cerca que está sendo construída entre Finlândia e Rússia

Na fronteiriça Imatra, turistas russos não são mais bem-vindos, e há temor de uma possível incursão militar de Moscou
Amanda Omura

Amanda Omura

A Finlândia sempre foi alvo de ameaças híbridas de Moscou e agora está se preparando para mais. "Já sabíamos que a linha vermelha para os russos era nossa adesão à Otan", diz Juha Martelius, vice-diretor geral para política de defesa do Ministério da Defesa finlandês. Ele diz que seu país espera algum tipo de reação depois que a bandeira finlandesa foi hasteada diante da sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em 4 de abril.
Ninguém acha que a nova cerca de 200 quilômetros que a Finlândia começou a construir ao longo de sua fronteira oriental possa impedir uma incursão militar da Rússia. Mas não foi por isso que o governo decidiu, no ano passado, construí-la e aumentar a capacidade de vigilância ao longo da rota.

Nos últimos anos, todos os países da União Europeia e da Otan que fazem fronteira com a Rússia ou Belarus foram submetidos a grandes fluxos de migrantes orquestrados por Moscou. Letônia, Lituânia e Polônia viram o pior em 2021, mas isso também aconteceu em 2015 e 2016 nas passagens de fronteira na Lapônia finlandesa. A Finlândia é a última dessas nações a decidir construir uma barreira física.
"Ano zero"
Embora a guerra na Ucrânia não tenha sido o motivo principal, ela definitivamente reforçou a decisão. "Vimos o que a Rússia fez na Ucrânia, então tudo é possível", explica Martelius.
"Depois disso, as pessoas se deram conta de que este é o 'ano zero' para nosso novo relacionamento com os russos. Não importa que tipo de resultado final seja alcançado na Ucrânia: teremos um relacionamento totalmente diferente com os russos do que tínhamos antes."

Em Imatra, a cidade mais próxima de onde o projeto da cerca está sendo iniciado, o prefeito Matias Hilden diz que entre a população o sentimento em relação à obra não é de entusiasmo e sim de resignação. "É um pouco triste precisarmos disso", disse ele à DW.
Martelius explica que há uma década ninguém se importava em ouvir pessoas falando russo em lojas ou spas e que carros com placas russas eram onipresentes nas ruas da cidade, a apenas sete quilômetros da fronteira. Ele explica que naquela época "os russos costumavam comprar quase uma em cada duas propriedades" na área e que turistas russos levavam uma renda confiável para as lojas de Imatra.

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese