Voltar ao Início

Você está em:

A origem do uso do vermelho pela esquerda que incomoda aliados de Lula

Esforço de usar branco em vez de vermelho vale mais como aceno para a frente ampla do que para conquistar votos
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Um esforço recomendado pela senadora Simone Tebet fez com que o PT (Partido dos Trabalhadores) pedisse aos apoiadores que usassem branco em vez do clássico vermelho que representa o partido em ato que ocorreu em 11 de outubro em Belford Roxo (RJ).

Para Tebet, é preciso "tirar o vermelho da rua", pois as imagens assustariam eleitores do "interior de SP" e de "Estados no Centro-Oeste, Sul e Norte", conforme noticiado pela coluna da Mônica Bergamo, no jornal "Folha de S.Paulo".

A BBC News Brasil questionou o Partido dos Trabalhadores sobre se há uma orientação clara de mudança dentro do partido, mas a assessoria de imprensa não respondeu até a publicação desta reportagem.

Adotado pelo PT como a principal cor, o vermelho, em diferentes tons, foi utilizado por partidos comunistas, socialistas, trabalhistas e sociais democratas em uma origem que remonta ao século 19.

O uso inicial do vermelho pela esquerda se deu quando a cor passou a estampar a bandeira do Partido Comunista — e por isso ainda é ligada à uma esquerda radical, embora já tenha sido incorporada por partidos socialistas e sociais-democratas.

Em 1789, no episódio que culminou na Revolução Francesa, a assembleia constituinte francesa colocou bandeiras vermelhas nos cruzamentos das ruas para mostrar que as manifestações públicas estavam proibidas.
Quebrando a regra, milhares de parisienses se reuniram para exigir a destituição do rei Luís 16, no Campo de Marte em 1791. O então prefeito de Paris, Bailly, ordenou que uma grande bandeira vermelha fosse colocada no alto para reiterar a ordem. Mas uma multidão tomou a praça e a polícia entrou em conflito com os manifestantes, matando mais de 50 pessoas.

Em seu livro Le petit livre des couleurs ("Pequeno livro das cores"), o historiador e antropólogo francês Michel Pastoureau afirma que a mesma bandeira vermelha que era usada para impedir que o povo francês se manifestasse, passou desde então a ser o emblema do povo oprimido e da revolução em marcha. Ele diz que isso é uma "surpreendente inversão simbológica".

Posts Relacionados

Governo Lula confirma suspensão da dívida do Rio Grande do Sul por 3 anos

Governo Lula confirma suspensão da dívida do Rio Grande do Sul por 3 anos

Medida visa garantir mais dinheiro para ações de reconstrução do estado, que já registrou mais de 140 mortes

Governo não pensa em concorrer com produtores de arroz, diz ministro

Governo não pensa em concorrer com produtores de arroz, diz ministro

Ministro diz que a desinformação sobre o tema causa pânico e a importação de arroz é medida para repor estoques

Senado aprova criação de auxílio para reconstruir casas de famílias de baixa renda

Senado aprova criação de auxílio para reconstruir casas de famílias de baixa renda

Proposta do 'Cartão Reconstruir' foi apresentada em 2023, mas ganhou força depois da catástrofe no Rio Grande do Sul

Senado aprova criação de política e sistema para coordenar riscos de desastres

Senado aprova criação de política e sistema para coordenar riscos de desastres

Item não estava previsto na pauta, mas foi incluído devido às fortes chuvas que assolam o Rio Grande do Sul

Lula deve anunciar pacote com 5 mil ‘ônibus verdes’ e obras em favelas

Lula deve anunciar pacote com 5 mil ‘ônibus verdes’ e obras em favelas

Evento no Palácio do Planalto para a apresentação das medidas está previsto para quarta-feira

Lula anuncia decreto legislativo para dar celeridade ao repasse de verbas para RS

Lula anuncia decreto legislativo para dar celeridade ao repasse de verbas para RS

Presidente também mandou uma mensagem ao Congresso, pedindo reconhecimento de calamidade pública

Lula e Haddad celebram mudança em perspectiva de nota de crédito do Brasil na Moody’s

Lula e Haddad celebram mudança em perspectiva de nota de crédito do Brasil na Moody’s

Lula afirmou que país 'voltou a ter credibilidade econômica', e Haddad diz que decisão reconhece perspectivas positivas

Governo seleciona 9,2 mil obras para o PAC, mas verba tem que vir de emendas parlamentares

Governo seleciona 9,2 mil obras para o PAC, mas verba tem que vir de emendas parlamentares

Projetos foram habilitados, mas ficaram fora por falta de recursos do Executivo. Lista compõe o 'PAC Seleções'

pt_BRPortuguese