Voltar ao Início

Você está em:

Acusações contra Trump não convencem eleitores

Quanto mais significativa a coleção de imbróglios legais de Trump, mais inabalável é a fé de seus seguidores em elegê-lo presidente
Amanda Omura

Amanda Omura

Réu pela terceira vez em quatro meses, Donald Trump enfrenta agora a mais grave das acusações como ex-presidente dos EUA e favorito à indicação do Partido Republicano para recuperar a Casa Branca: a de conspirar para permanecer no poder apesar de ter perdido a eleição de 2020, conforme atestou o procurador especial Jack Smith.

Quanto mais significativa a coleção de imbróglios legais de Trump, mais inabalável é a fé de seus seguidores em alçá-lo novamente ao cargo de comandante-em-chefe do país.

A média das pesquisas reforça sua posição, com 37 pontos de vantagem sobre o maior rival republicano, o governador da Flórida Ron DeSantis. E a arrecadação de recursos infla a sua campanha.

As acusações anteriores, de fraude comercial e de manuseio de documentos confidenciais, não o prejudicaram diante do eleitor republicano. A mais recente, exposta em 45 páginas por Smith, põe o ex-presidente no centro de uma campanha ilegal, de “desonestidade, fraude e presunção” para bloquear a transferência de poder.

A contar pelas reações iniciais dos republicanos — muito semelhantes aos dois indiciamentos anteriores —, a acusação de conspirar contra a democracia dificilmente se reverterá contra Trump aos olhos de seus eleitores: o ex-presidente se aferra ao posto de perseguido, vítima de manipulação político-partidária e de um grande complô para minar a sua candidatura à Casa Branca em 2024.

O partido se mantém leal a Trump e o exime de responsabilidade, num sinal da forte influência que ele exerce sobre a sua base. “Por que eles não trouxeram esse caso ridículo há 2,5 anos? Eles queriam isso bem no meio da minha campanha, é por isso!” protestou o ex-presidente em sua rede social.

Sua campanha foi além, comparando falsamente as acusações do procurador, referendadas por um grande júri, à “Alemanha nazista na década de 1930 e outros regimes autoritários e ditatoriais”. A retórica virulenta prevalece na mídia sustentada pela extrema direita americana.

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese