Voltar ao Início

Você está em:

Após indulto, QG da reeleição teme desgastes à campanha com ‘libera geral’ de Bolsonaro

Fontes temem que o presidente estenda benefício a outros aliados, por avaliarem que isso afastaria o eleitor de centro
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O QG da reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) predominantemente formado por lideranças do Centrão, não foi consultado sobre o indulto do presidente ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), mas atuou no “pós”: pediu ao presidente que não “libere geral” com medidas que possam, por exemplo, ampliar o embate com o Supremo Tribunal Federal, como anistiar de crimes aliados chamados de ideológicos como o blogueiro Allan dos Santos, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Zé Trovão, um dos líderes dos caminhoneiros – todos alvos de investigação na corte.

Um dos principais estrategistas da campanha de Bolsonaro explicou a preocupação do QG da reeleição: o presidente, apesar de não ter consultado seus aliados políticos a respeito do indulto a Silveira, “ganhou o jogo com o Supremo, ao conceder o indulto”, mas pedem cautela. Avaliam que Bolsonaro não pode “ficar arrogante” e achar que “pode tudo e liberar geral” em medidas como estender um benefício de anistia a aliados investigados, pois isso poderia ter impactos para a campanha com desgastes junto ao voto do eleitor de centro.

Por isso, argumenta esse aliado de Bolsonaro, o presidente precisa parar no indulto a Silveira e evitar ficar confortável o suficiente para seguir escalando em produções de crises com outros Poderes em prol de seus aliados, amigos e familiares – o que pode ser entendido pelo eleitor como “privilégio” e benefício aos “protegidos” do presidente da República, além de afastar o eleitor do centro que quer moderação e rechaça o estilo bélico do presidente na relação com outros poderes, gerando instabilidade democrática.

Bolsonaro está mais à vontade nas últimas semanas porque 1) tem comemorado as pesquisas que mostram que a distância para o ex-presidente Lula diminuiu 2) acha que a nota do ministro Barroso, do STF, ajudou a reforçar a divisão no STF, que não querem embates com as Forças Armadas, além de unir militares da reserva e da ativa.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese