Voltar ao Início

Você está em:

As mudanças na Argentina com inflação acima de 100%

Inflação afeta desproporcionalmente quem tem menor renda, já que os preços que mais sobem são os dos alimentos
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Para Yanina, viver em um país com alta inflação não é novidade: quando ela abriu um minimercado há dez anos em um bairro popular da Grande Buenos Aires, a inflação anual ultrapassava 25%.

Apesar de a taxa ter crescido ao longo dos anos até dobrar, as pessoas “manejavam” e ainda conseguiam se virar, diz ela.
No entanto, desde que o aumento dos preços acelerou, passando de cerca de 50% para 95% ao ano em 2022 e indo para 108,8% ao ano em abril de 2023, os hábitos de seus clientes mudaram.

Antes, de cada dez itens que eles compravam, cerca de quatro eram de necessidades básicas, diz ela. Hoje, milhões de argentinos não conseguem sequer satisfazer suas necessidades básicas. Segundo dados divulgados no fim de março pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), 4 em cada 10 argentinos são considerados pobres.

E a situação é ainda mais dramática entre as crianças: mais da metade dos menores de 14 anos (54,2%) vive abaixo da linha da pobreza — quase 6 milhões de crianças.

Economistas projetam que a taxa continuará aumentando este ano, como resultado do novo impulso que a inflação tomou em março e abril, quando atingiu 7,7% e 8,4% ao mês, respectivamente, ponto mais alto desde a crise econômica de 2002, o pior ano da história do país.

A Argentina superou a Venezuela pela primeira vez em décadas na inflação mensal, embora a cifra ano a ano da Venezuela ainda seja quase cinco vezes maior que a da Argentina.

A inflação afeta desproporcionalmente quem tem menor renda, já que os preços que mais sobem são os dos alimentos, que constituem a maior despesa das famílias trabalhadoras.

Além disso, os setores de renda mais baixa ficam desprotegidos contra o aumento dos preços porque tendem a ter empregos informais, que não são cobertos por uma ferramenta que vem sendo utilizada nos últimos vinte anos para proteger a população contra a inflação: a paridade (acordos entre sindicatos, empresas e governo para ajustar salários à alta de preços).

Posts Relacionados

Número de palestinos mortos em Gaza ultrapassa 35 mil

Número de palestinos mortos em Gaza ultrapassa 35 mil

De acordo com o Hamas, já são 35.091 mortos e 78.827 feridos desde outubro, quando Israel declarou guerra ao grupo

Com poucos soldados, Ucrânia vai recrutar presos

Com poucos soldados, Ucrânia vai recrutar presos

A Rússia anunciou que vai fazer exercícios militares com armas nucleares táticas no sul em resposta a supostas ameaças

EUA interromperam envio de bombas para Israel

EUA interromperam envio de bombas para Israel

Foram bloqueadas as entregas de 1.800 bombas de 907 kg e de 1.700 bombas de 226 kg, segundo funcionário do governo

Hamas pede ajuda para barrar avanço de Israel

Hamas pede ajuda para barrar avanço de Israel

Exército israelense entrou na segunda-feira (6) na cidade, que fica no extremo sul de Gaza e é considerada o último refúgio de moradores

Hamas aceita proposta de cessar-fogo

Hamas aceita proposta de cessar-fogo

Israel afirmou que os termos desta proposta foram amenizados pelo Egito e que não pode aceitar os termos do acordo

Desodorante natural ou antitranspirante: qual é mais saudável?

Desodorante natural ou antitranspirante: qual é mais saudável?

Nos últimos anos, tem crescido no mercado a oferta de desodorantes naturais que prometem ser menos agressivos na pele

EUA acusam Rússia de usar armamento químico

EUA acusam Rússia de usar armamento químico

A Rússia declarou que já não possui um arsenal químico militar, mas o país enfrenta pressões para uma transparência maior

Câmara da Argentina aprova Lei de Bases de Milei

Câmara da Argentina aprova Lei de Bases de Milei

A Lei de Bases aprovada é uma nova versão, reduzida, da 'Lei Ómnibus'. Além disso, aprovou-se um novo pacote fiscal

pt_BRPortuguese