Voltar ao Início

Você está em:

Combustíveis: governo eleito aguarda ‘evolução’ de preço do petróleo para decidir sobre imposto

Impostos federais estão zerados até o fim do ano e já há previsão orçamentária para manter desoneração em 2023
Amanda Omura

Amanda Omura

O coordenador dos grupos técnicos da equipe de transição do governo eleito, Aloizio Mercadante, afirmou nesta quinta-feira (8) que o governo eleito aguarda a "evolução do cenário" para decidir sobre a manutenção da desoneração dos impostos federais sobre os combustíveis em 2023.

De acordo com a legislação em vigor, as alíquotas da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre os combustíveis estão zeradas apenas até 31 de dezembro. No caso da gasolina, a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) também foi reduzida a zero até final do ano.

A proposta de orçamento para 2023, enviada pelo atual governo, prevê a manutenção dos impostos federais a zero para os combustíveis, mas ainda é preciso que o governo envie um projeto de lei ou edite uma medida provisória para que a redução permaneça em vigor no próximo ano. Caso contrário, os impostos sobem.

Questionado sobre isso, Mercadante disse que os recursos para a manutenção da desoneração já estão previstos no orçamento e serão "acionados se necessário em projeto de lei ordinária". "Estamos aguardando para ver a evolução do cenário", resumiu.

Segundo Mercadante, o governo eleito está observando a evolução do preço do barril de petróleo e o câmbio, que afetam diretamente o preço dos combustíveis, devido à atual política de preços da Petrobras e devido à importação de combustíveis.

Ele defendeu que a Petrobras atue no refino de petróleo para "baratear" o preço dos combustíveis no Brasil.
"Tem uma questão conexa é que a Petrobras não pode olhar só exploração, temos de maximizar capacidade de refino para não ter de importar derivados que forçam preços. Aumento do refino pode ajudar muito no sentido de ter uma política de abrasileirar o preço do combustível, deixar de depender do câmbio e combustível importado", disse o coordenador dos grupos da transição.

"Temos de usar as vantagens que temos para reduzir o custo da energia", completou Mercadante.

Pré-sal
O coordenador do grupo técnico de Minas e Energia da equipe de transição de governo, Mauricio Tolmasquim, afirmou também nesta quinta-feira (8) que o grupo é contra uma mudança no regime de exploração do pré-sal.

Posts Relacionados

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

pt_BRPortuguese