Voltar ao Início

Você está em:

Como a fome pode distorcer sua mente e seus sentimentos

A função básica da fome é nos deixar alertas, o que traz várias consequências aos nossos pensamentos e sentimentos
Amanda Omura

Amanda Omura

As dietas são geralmente consideradas um caminho nobre, muitas vezes endossado por celebridades, para melhorar a saúde e o bem-estar — e estimulam uma indústria global de US$ 250 bilhões (cerca de R$ 1,2 trilhão).
Mas sejamos realistas: fazer dieta também pode ser doloroso.

Um estudo realizado com quase 2.000 pessoas com sobrepeso e obesidade que queriam emagrecer descobriu que aquelas que realmente conseguiram fazê-lo tinham quase 80% mais probabilidade de apresentar sintomas de depressão do que aquelas que não buscaram perder peso.

Não é uma publicidade convincente para cortar calorias, mas estar com fome pode mexer com nossa mente de várias maneiras — principalmente por nos deixar com aquele sentimento familiar de raiva que surge quando ficamos muito tempo sem uma refeição.

Na verdade, pesquisas estão começando a mostrar que o jejum pode afetar negativamente tudo, desde as nossas emoções até a nossa cognição e capacidade de julgamento, pelo menos a curto prazo.

E, como descrevemos no nosso livro recente sobre os fatores internos e externos que influenciam a forma como pensamos, todas essas coisas afetam, em última análise, a forma como refletimos e tomamos decisões.

Esse é um problema muito mais profundo do que fazer dieta. Num mundo onde muitas pessoas lutam para se alimentar, vale a pena lembrar que a fome pode aumentar a desigualdade.

Um estudo, por exemplo, descobriu que o fornecimento de merenda escolar em escolas indianas melhorou o desempenho cognitivo dos alunos em 13% a 16%.
Sem nutrientes e calorias suficientes, não é de se surpreender que o nosso cérebro tenha dificuldades para se desenvolver e funcionar adequadamente. Mas de que outras formas o que comemos também afeta a forma como pensamos?

As emoções têm uma influência profunda nos nossos pensamentos — especialmente quando não as compreendemos ou reconhecemos de verdade. Isso porque é mais fácil regular nossas emoções quando temos consciência de onde elas vêm e como influenciam nossa cabeça e nossa tomada de decisões.
Mas o que isso tem a ver com a nossa alimentação (ou a falta dela)?

Bem, a fome parece ser um condutor importante de emoções negativas e do mau humor.

Em um estudo de 2022, a psicóloga Nienke Jonker e colegas da Universidade de Groningen, na Holanda, fizeram perguntas a 129 mulheres — cerca de metade das quais fizeram jejum por 14 horas — sobre o seu nível de fome, hábitos alimentares e humor.

A equipe descobriu que as mulheres famintas relatavam mais emoções negativas, incluindo maior tensão, raiva, depressão, fadiga e confusão. Elas também relataram sentir menos emoções positivas, como vigor.

Na verdade, as mulheres famintas relataram, em média, sentirem duas vezes mais raiva do que aquelas que não estavam com fome.

O mau humor pode mudar radicalmente a forma como interpretamos o mundo, levando a erros na interpretação do que nos rodeia. Tudo pode parecer mais simplista, como em preto e branco, afastando as tão importantes nuances.

Posts Relacionados

Por que o álcool é tão perigoso para o cérebro dos jovens

Por que o álcool é tão perigoso para o cérebro dos jovens

O álcool é uma toxina. Seus riscos incluem acidentes, doenças do fígado e muitos tipos de câncer, até em pequenas quantidades

Candidíase em homens: como surge a infecção que causa coceira e manchas

Candidíase em homens: como surge a infecção que causa coceira e manchas

A 'Candida albicans' é um tipo de fungo que normalmente coexiste em equilíbrio na microbiota humana, e faz parte do corpo

Cosméticos: quais substâncias nossa pele consegue ou não absorver

Cosméticos: quais substâncias nossa pele consegue ou não absorver

Marketing traz apelo de várias substâncias com promessas de resultados, mas nem tudo é absorvido pela pele

A teoria do ‘útero errante’ que deu origem ao ultrapassado conceito de histeria

A teoria do ‘útero errante’ que deu origem ao ultrapassado conceito de histeria

Esta crença existiu há mais de 2,4 mil anos, mas o paradigma sobre como o suposto 'animal' afetava o corpo se manteve

Psicóloga incentiva adultos a cuidarem de sua criança interior para superar traumas

Psicóloga incentiva adultos a cuidarem de sua criança interior para superar traumas

Com mais de 8 milhões de seguidores, Nicole Lepera fala sobre como os traumas influenciam a vida adulta em vídeos

Álcool, cravo e óleo de citronela: os repelentes caseiros funcionam contra a dengue?

Álcool, cravo e óleo de citronela: os repelentes caseiros funcionam contra a dengue?

Sem comprovação de eficácia, produtos não são aprovados pela Anvisa e podem causar alergias em contato com a pele

O que a maior revisão de estudos sobre comidas ultraprocessadas revelou

O que a maior revisão de estudos sobre comidas ultraprocessadas revelou

Ultraprocessados, como cereais matinais e refrigerantes, foram associados a 32 efeitos prejudiciais à saúde

Procrastinação: por que algumas pessoas “enrolam” mais do que as outras?

Procrastinação: por que algumas pessoas “enrolam” mais do que as outras?

Por que adiamos declaração de imposto de renda ou fazer faxina? Por que algumas pessoas "enrolam" mais do que as outras?

pt_BRPortuguese