Voltar ao Início

Você está em:

Como foi 1º debate entre candidatos na Argentina

Milei, ultradireitista, contestou número de desaparecidos da ditadura, e Sergio Massa, pediu desculpas pela situação econômica
Amanda Omura

Amanda Omura

Os candidatos à presidência da Argentina entraram em confronto no primeiro debate da campanha no domingo (1º).

À beira de um colapso econômico, a Argentina vai às urnas em 22 de outubro, sob tensão também política por conta do favoritismo do candidato da extrema direita, Javier Milei, que se declara "anarcocapitalista" e levanta bandeiras polêmicas como fechar o Banco Central.

Embora morno, o debate foi marcado pelo enfrentamento entre Milei, Sergio Massa (o atual ministro da Economia), e a direitista Patricia Bullrich. Os três foram os primeiros colocados nas primárias realizadas em agosto - uma votação obrigatória no país para definir os candidatos que concorrerão às eleições.

As principais pesquisas indicam Milei e Massa no segundo turno, mas Bullrich apareceu em segundo lugar em um novo levantamento publicado horas antes do debate.

Desaparecidos na ditadura
O candidato ultraliberal Javier Milei afirmou que os números de desaparecidos durante a ditadura militar do país estimado por organizações de direitos humanos é superestimado.

"Não foram 30 mil desaparecidos (como estimam organizações de direitos humanos). Foram 8.753", afirmou Milei.

Milei se baseou em números da Comissão Nacional para o Desaparecimento de Pessoas (Conadep), que quatro décadas atrás cifrou em cerca de 8 mil os desaparecidos, mas reconhecendo que o número poderia ser maior.

Níveis de vida dos Estados Unidos em 20 anos
Milei repetiu algumas vezes o modelo econômico que baseia sua campanha: dolarizar a economia, reduzir drasticamente gastos públicos, ampliar as privatizações e fechar o Banco Central.

As propostas não são novas, mas, desta vez, ele garantiu que o modelo pode levar a Argentina a "níveis similares aos Estados Unidos" em um período de 20 anos.

"Com esse conjunto de reformas, a Argentina, em 15 anos, poderia alcançar níveis de vida similares aos que têm Itália ou França. Em 20 (anos), Alemanha e, em 35 (anos), os Estados Unidos", disse.

Posts Relacionados

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

Ataque desta quarta-feira (7) faz parte de resposta do país norte-americano ao bombardeio que matou três soldados na Jordânia

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

pt_BRPortuguese