Voltar ao Início

Você está em:

Comprar imóvel é mais barato no Brasil em relação à América Latina, mas valor ainda pesa

Levantamento do QuintoAndar pegou dados de venda e aluguel em capitais de seis países
Amanda Omura

Amanda Omura

Entre 12 das cidades mais populosas da América Latina, o Brasil tem os municípios com aluguéis e preços de venda mais baratos, segundo a pesquisa “O mercado residencial na América Latina”, divulgada pelo QuintoAndar nesta quinta (29).

O levantamento foi feito com dados de anúncio em plataformas digitais de agosto de 2021 a julho de 2022 e investigou São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Lima (Peru), Cidade do México (México), Buenos Aires (Argentina), Quito (Equador) e Cidade do Panamá (Panamá).

Dentre os locais pesquisados, Buenos Aires é a cidade mais cara para comprar ou alugar um imóvel. Para compra, o metro quadrado na capital argentina custa, em média, US$ 2,4 mil. Cidade do México (US$ 2,2 mil) e Cidade do Panamá (US$ 2,1 mil) completam o pódio.

No Brasil, Brasília tem o metro quadrado mais caro, com US$ 1,8 mil. Em seguida, estão Rio de Janeiro (US$ 1.784) e São Paulo (US$ 1.725).

Já entre os aluguéis, o preço por metro quadrado na capital argentina é US$ 11,8. Para contextualizar: um apartamento de 50 metros custa, em média, US$ 590 por mês. Depois, estão também a Cidade do México, com US$ 10,7, e a Cidade do Panamá, com US$ 10,5.

No quesito aluguéis, as cidades brasileiras ficam um pouco acima no ranking. São Paulo, por exemplo, tem o quarto aluguel mais caro (US$ 8,6), acima de Lima (US$ 8,4), Quito (US$ 5,7) e Brasília (US$ 6,9).

Segundo o economista do QuintoAndar, Vinicius Oike, o mercado imobiliário cresceu no continente, com exceção da Argentina. O país sofre com inflação alta, recessão econômica e economia cada vez mais dolarizada (as transações têm usado mais o dólar e menos o peso, moeda oficial argentina). Além disso, a oferta de casas e apartamentos é maior do que a demanda por eles.

Especificamente no Brasil, o aumento do crédito (seja via empréstimos ou programas como Minha Casa, Minha Vida e Casa Verde Amarela) e um baixo aumento real de preço (descontada a inflação) na última década impulsionaram o setor, destrincha a pesquisa.

Preço pesa no bolso
Apesar de um aquecimento desse mercado, a moradia ainda apresenta um nível alto de comprometimento de renda nas cidades analisadas. Isso quer dizer que o peso no bolso das pessoas e famílias é bem grande - em alguns casos, maior do que a recomendação de 30%.
Das 12 cidades, só em 3 é possível gastar menos do que um terço da renda mensal com aluguel. Elas são Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

Para compra, a situação é ainda mais difícil. Para mensurar o peso do preço do imóvel para as famílias, a pesquisa calculou quantos anos essa família precisaria trabalhar pra comprar uma casa ou apê em cada uma das cidades. O cálculo leva em consideração o preço médio dos imóveis e a renda anual dessas pessoas.

Posts Relacionados

Juros mais baixos e alta de emplacamentos: vai ficar mais fácil comprar um carro zero?

Juros mais baixos e alta de emplacamentos: vai ficar mais fácil comprar um carro zero?

Segmento acredita em crescimento de dois dígitos, com juros mais baixos para o financiamento

‘Fantasia não é convite’: veja dicas de proteção e ações contra assédio no carnaval do Rio

‘Fantasia não é convite’: veja dicas de proteção e ações contra assédio no carnaval do Rio

'Período de muita alegria, mas não de abuso. Todas as leis continuam valendo', diz a comandante da Ronda Maria da Penha

Gastos de turistas no Brasil em 2023 superam ano de Copa e chegam a US$ 6,9 bilhões

Gastos de turistas no Brasil em 2023 superam ano de Copa e chegam a US$ 6,9 bilhões

Até então, recorde havia sido registrado em 2014, quando turistas gastaram US$ 6,8 bilhões

Governo quer diferenciar empresas que são boas pagadoras e fixar regras

Governo quer diferenciar empresas que são boas pagadoras e fixar regras

Segundo Barreirinhas, a proposta também buscará mapear as companhias com benefícios fiscais

Salário mínimo com valor reajustado passa a ser pago a partir desta semana

Salário mínimo com valor reajustado passa a ser pago a partir desta semana

Valor de R$ 1.412 começou a valer em janeiro de 2024, mas só será pago agora, em fevereiro

Com Minha Casa, Minha Vida, financiamento imobiliário pelo FGTS cresce 59%

Com Minha Casa, Minha Vida, financiamento imobiliário pelo FGTS cresce 59%

O total de crédito imobiliário somou 251 bilhões de reais em 2023, representando um aumento de 4%

Poder de compra do brasileiro foi corroído quase que pela metade em 10 anos

Poder de compra do brasileiro foi corroído quase que pela metade em 10 anos

Salário teria que quase dobrar para conseguir adquirir a mesma quantidade de itens que em 2013

Imposto de Renda: quem ganha dois salários mínimos voltará a pagar; entenda por quê

Imposto de Renda: quem ganha dois salários mínimos voltará a pagar; entenda por quê

Segundo os auditores, a retomada da cobrança é consequência do reajuste do salário mínimo

pt_BRPortuguese