Voltar ao Início

Você está em:

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios
Amanda Omura

Amanda Omura

Israel bombardeia a Faixa de Gaza. O Hezbollah ataca o norte de Israel; os Houthis atacam o sul do país, ambos respaldados pelo Irã.

O Irã ataca grupo apoiado por Israel no Paquistão, um dia depois de lançar mísseis balísticos contra a Síria e o Iraque alvejando bases da inteligência israelense.

Israel ataca Beirute, no Líbano, para matar um líder do Hamas. Navios transportam armas iranianas para os Houthis, grupo rebelde do Iêmen, que, por sua vez, têm atacado cargueiros do Ocidente no Mar Vermelho. EUA e Reino Unido bombardeiam alvos houthis no Iêmen.

O Oriente Médio, região que abriga países do leste do Mediterrâneo até o Golfo Pérsico, vive uma teia de conflitos interligados entre si e em escalada sem precedentes na história moderna da região.

Há semanas, os Estados Unidos expressavam o temor de que o conflito "original", entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza, se espalhasse pela região, o que pode causar um emaranhado de conflitos paralelos envolvendo potências regionais, como o Irã.
Guerra terceirizada
Para o professor de Relações Internacionais da ESPM Leonardo Trevisan, a escalada ocorre em parte porque o Irã está fazendo uma "guerra por procuração" através do apoio aos grupos rebeldes. E os ataques feitos por Teerã são uma tentativa de o país, xiita, tentar se impor na região diante de outra potência, a Arábia Saudita, cujo governo é sunita e mais próximo dos Estados Unidos.

"Essa guerra ganha importância enorme não só pela briga com palestinos, mas pelo contexto de onde ela está", disse em entrevista

Agrava o cenário o fato de que potências de fora podem participar de forma mais ativa nos conflitos.

Os Estados Unidos, que vinham tentando se descolar do conflito e inclusive já pediram ao governo israelense que contenha os ataques à Faixa de Gaza, vêm demonstrando agora mais disposição em participar dele.
"Não estamos à procura de uma guerra. Não estamos à procura de expandir isto. Os Houthis têm uma escolha a fazer", disse, na terça-feira (16), o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, John Kirby.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

pt_BRPortuguese