Voltar ao Início

Você está em:

Desemprego em baixa esconde (mal) mercado de trabalho precário

Do início da pandemia pra cá, o desemprego caiu – só que o rendimento do trabalhador também
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A economia brasileira vem sendo perseguida por uma conjunção. A adversativa ‘mas’ tem acompanhado grande parte das manchetes.

Mas (olha ela aí de novo) a culpa não é dela: é dos fatos mesmo.

Senão, vejamos: depois de seis anos com taxas acima de dois dígitos, o desemprego no Brasil caiu abaixo disso em maio – e segue recuando desde então. Na sexta-feira, o IBGE divulgou a taxa de desemprego de agosto, de 8,9%. A menor desde 2015.

Acontece que, do início da pandemia pra cá, o desemprego caiu – só que o rendimento do trabalhador também. Os dados do IBGE mostram que o rendimento médio habitual, que chegou a R$ 3 mil naquele ano, é hoje de R$ 2.713.

Junto com a remuneração, a qualidade do emprego também diminuiu: no trimestre encerrado em agosto, o número de trabalhadores sem carteira assinada bateu recorde: 13,16 milhões de pessoas. Outras 4,37 milhões eram empregados domésticos, também sem carteira.

São quase 20 milhões de brasileiros sem direitos trabalhistas – somados aos trabalhadores por conta própria sem CNPJ, são quase 40 milhões de trabalhadores na informalidade. Há entre eles quem prefere trabalhar dessa forma, muitos por questão tributária. Há também, no entanto, ambulantes, motoristas de aplicativos, entregadores, domésticos sem carteira, gente que não tem direito a férias, 13º, nem seguro-desemprego.

O ‘mas’ também assombra os dados de inflação: o IPCA-15 vem negativo há três meses – mas, tirando a influência da gasolina, a direção se inverte. E os alimentos ainda acumulam forte alta em 12 meses.

Nos juros, também: o Banco Central interrompeu a alta da Selic – mas a taxa, que começou a subir por aqui antes da maior parte dos países, é a maior taxa real do mundo.

O PIB? Mesma coisa. O Banco Central estima alta de 2,7% este ano – mas de apenas 1% no próximo, abaixo dos 3,6% esperados para o mundo, e dos 4,4% esperados para o conjunto dos países emergentes.
O que isso tudo quer dizer? Que olhar para um dado puro não mostra o retrato do todo. Que a economia vem de fato avançando, mas que esse ganho é capenga – e não atinge todo mundo da mesma forma.

O que precisa melhorar é o mercado de trabalho e o bolso dos brasileiros. Deixemos a conjunção em paz.

Futuro
Claudia Moreno, economista do C6 Bank, avalia que a taxa de desemprego deve cair para 8,7% até o fim do ano, mas a trajetória começa a se inverter a partir do ano que vem por conta dos efeitos dos juros altos e da desaceleração global.
— Projetamos que a taxa de desemprego volte a subir e termine 2023 em 9,5%.

Posts Relacionados

Receita diz que vai barrar encomendas internacionais que tragam risco ao consumidor

Receita diz que vai barrar encomendas internacionais que tragam risco ao consumidor

Aparelhos eletrônicos, brinquedos, cosméticos, entre outros produtos que não se adequem às regras

El Niño x La Niña: mudança de fenômeno pode impactar a inflação no Brasil

El Niño x La Niña: mudança de fenômeno pode impactar a inflação no Brasil

Principal temor é que o fenômeno provoque longos períodos de seca, esvaziando reservatórios

Governo propõe a servidores aumentos em auxílio alimentação e benefícios

Governo propõe a servidores aumentos em auxílio alimentação e benefícios

Ministério da Gestão se reuniu com representantes do funcionalismo, mas não houve acordo

Reforma tributária: imposto sobre herança ou doação pode subir em 10 estados

Reforma tributária: imposto sobre herança ou doação pode subir em 10 estados

Texto prevê que imposto passe a ser progressivo em todo o país, com base no valor do patrimônio

Autuações da Receita Federal batem recorde e somam R$ 225 bilhões em 2023

Autuações da Receita Federal batem recorde e somam R$ 225 bilhões em 2023

Valor é 65% maior que o volume de autuações de 2022 e coincide com esforço por maior arrecadação

De olho na popularidade, Lula prepara obras do PAC com foco na população de baixa renda

De olho na popularidade, Lula prepara obras do PAC com foco na população de baixa renda

Governo quer aprovar medidas econômicas, como a criação de uma linha de crédito para CadÚnico

Supermercados propõe que sejam desonerados na cesta básica foie gras, bacalhau e trufas

Supermercados propõe que sejam desonerados na cesta básica foie gras, bacalhau e trufas

A discussão sobre quais produtos serão contemplados com quais benefícios ainda não foi feita

Governo estuda medidas para custear parte das tarifas e reduzir conta de luz dos consumidores

Governo estuda medidas para custear parte das tarifas e reduzir conta de luz dos consumidores

Segundo o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, três sugestões foram levantadas

pt_BRPortuguese