Voltar ao Início

Você está em:

É possível erradicar o Hamas de Gaza?

Governo de Israel declara publicamente o objetivo de desarmar e destruir o grupo islâmico, mas sinaliza não ter uma estratégia
Amanda Omura

Amanda Omura

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, e altos funcionários do governo de Israel asseguram publicamente a erradicação do Hamas, com os bombardeios aéreos e a iminente invasão terrestre em Gaza.

A retórica bélica é explícita: “vamos esmagá-lo e destruí-lo”, “derrotá-lo até a morte” e “o que havia em Gaza não existirá mais” são sentenças proferidas pelo primeiro-ministro e pelo ministro da Defesa, Yoav Gallant, desde sábado passado (7), quando o país foi surpreendido pelo maior ataque terrorista do Hamas, com 1.300 mortos do lado de Israel e 199 reféns.

Até que ponto é possível eliminar o Hamas, como promete o desgastado Netanyahu ao público israelense?

Nenhuma das quatro guerras anteriores em que Israel enfrentou o grupo islâmico em Gaza conseguiu alcançar tal objetivo.

Ainda que golpeado, o Hamas, que assumiu o controle da Faixa de Gaza em 2007, após a retirada israelense do território, conseguiu se reerguer após os quatro confrontos, alternando ciclos de violência com relativa calmaria.
Os comandantes mortos foram substituídos e outros chefes governam do exílio, como Ismail Haniyeh, Abu Marzouk e Khaled Meshaal, que se encontram no Catar, ou estão em Beirute e Istambul.

Pode-se argumentar que desta vez as circunstâncias são inéditas pela conjunção envolvendo humilhação e a tomada de reféns por terroristas em solo israelense. A convocação de 360 mil reservistas para retaliar o ataque do Hamas é a maior já registrada na História do país.

Israel partiu para a ofensiva sob a égide da revanche ao massacre de seus cidadãos pelo Hamas. Em apenas uma semana, a quinta guerra em Gaza nos últimos 18 anos já é considerada a mais letal para ambos os lados e atinge, sobretudo, os civis.

Um ataque por terra, com batalhas entre soldados e combatentes em áreas densamente povoadas, terá consequências ainda mais drásticas.

O grupo islâmico teve tempo suficiente para organizar um ataque em Israel e preparar-se na construção de um labirinto de túneis subterrâneos. Poderá usar civis palestinos e reféns israelenses para se defender da ação das tropas.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

pt_BRPortuguese