Voltar ao Início

Você está em:

Mourão defende subsidiar preço dos combustíveis por ‘três ou quatro meses’ para frear alta

Vice-presidente citou uso de royalties do pré-sal e dividendos da Petrobras para custear medida
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta quarta-feira (9) que considera a "melhor linha de ação" utilizar royalties e dividendos da Petrobras para subsidiar combustíveis durante três ou quatro meses a fim de conter uma escalada nos preços para o consumidor.

O governo discute uma série de alternativas para evitar que a alta do petróleo no mercado internacional, provocada pela invasão russa à Ucrânia, eleve o preço dos combustíveis nos postos. O valor nas bombas tem impacto direto na inflação e na popularidade do presidente Jair Bolsonaro.

Entre as alternativas avaliadas está utilizar royalties do pré-sal e os dividendos da Petrobras para custear esse subsídio.
"A melhor linha de ação, a linha de ação que causasse menos dano a posterior, seria usar os recursos de royalties e dividendos para dar um subsídio ao combustível e durante um período devidamente qualificado. Acho que isso daria uns R$ 13 bilhões, R$ 14 bilhões durante três ou quatro meses, até que essa situação do conflito amainasse e consequentemente o preço do petróleo voltasse a um nível mais adequado", disse Mourão.
Ainda na manhã desta quarta, o presidente Jair Bolsonaro deve se reunir com os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

A pauta da reunião não foi divulgada, mas as autoridades devem focar em uma saída para evitar que as fortes altas no preço internacional do petróleo sejam repassadas integralmente pela Petrobras ao consumidor. A política de preços atual da estatal prevê que isso aconteça.

Debate no governo
O tema foi discutido durante reunião de ministros na terça-feira (8). A proposta permitiria o subsídio a partir de um gatilho de US$ 95 o barril de petróleo. Acima disso, o governo arcaria com R$ 300 milhões por ponto percentual de defasagem — na terça, o preço do barril alcançou quase US$ 130.

Posts Relacionados

Temu: varejista concorrente da Shopee e AliExpress inicia vendas no Brasil

Temu: varejista concorrente da Shopee e AliExpress inicia vendas no Brasil

Empresa de comércio eletrônico chega um dia após o Senado aprovar a chamada "taxa das blusinhas"

Governo divulga rótulo do arroz que será importado; pacote de 5 kg será vendido por R$ 20

Governo divulga rótulo do arroz que será importado; pacote de 5 kg será vendido por R$ 20

Governo vai comprar 300 mil toneladas e as primeiras vão chegar entre 10 de junho e 8 de setembro

Turismo internacional tem melhor abril da história com entrada de US$ 620 milhões

Turismo internacional tem melhor abril da história com entrada de US$ 620 milhões

Valor gasto por visitantes de outros países para o mês cresceu de 37,1% em relação a abril de 2023

Desemprego vai a 7,5% no trimestre terminado em abril, diz IBGE

Desemprego vai a 7,5% no trimestre terminado em abril, diz IBGE

Desocupação atinge 8,2 milhões. É o melhor resultado para este trimestre móvel desde 2014

Cartão de crédito: juros sobem novamente em abril e atingem 423% ao ano

Cartão de crédito: juros sobem novamente em abril e atingem 423% ao ano

Acima de 400% ao ano, essa é a linha de crédito mais cara do mercado financeiro

Como o BPO Pode Ajudar Sua Empresa a Crescer

Como o BPO Pode Ajudar Sua Empresa a Crescer

Em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas estão constantemente buscando maneiras de otimizar suas operações e reduzir custos. Uma das estratégias mais eficazes

Prejuízos na agropecuária causados pelas chuvas no RS ultrapassam R$ 2,5 bilhões

Prejuízos na agropecuária causados pelas chuvas no RS ultrapassam R$ 2,5 bilhões

Os prejuízos causados pelas chuvas no Rio Grande do Sul no campo já ultrapassam R$ 2,5 bilhões, informou nesta sexta-feira (17) a Confederação Nacional de

Arroz importado por governo será vendido ao consumidor por até R$ 4 o quilo

Arroz importado por governo será vendido ao consumidor por até R$ 4 o quilo

O arroz que o governo vai importar para segurar o preço do grão no Brasil será vendido ao consumidor por, no máximo, R$ 4 o

pt_BRPortuguese