Voltar ao Início

Você está em:

União e estados abrem mão de quase R$ 46 bilhões em tributos sobre combustíveis

Desde março de 2021, governos federais e estaduais adotaram medidas para tentar conter alta
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A União e os estados devem abrir mão de, pelo menos, R$ 45,85 bilhões em arrecadação até o fim deste ano com a redução e alteração de impostos para tentar conter a alta dos preços dos combustíveis.

As medidas tributárias começaram a ser adotadas em março do ano passado, mas cresceram de valor em 2022, diante da disparada do preço do petróleo no mercado internacional, em meio à guerra entre Rússia e Ucrânia.

Apesar da cifra bilionária, as reduções de tributos ainda não representaram um alívio na bomba para os consumidores. Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que os preços dos combustíveis seguem num patamar elevado, embora tenham apresentado uma ligeira queda na semana passada.
Preços em alta
No período de um ano, o valor médio no país da gasolina comum saltou de R$ 5,48 o litro para R$ 6,96, uma alta de 27%. Já o diesel S10, base do transporte de carga, passou de R$ 4,31 para R$ 6,287 – avanço de 42%. Enquanto isso, o botijão de gás de 13 kg, muito utilizado pelas famílias de baixa renda, ficou 30% mais caro e chegou a R$ 108,17.

Até agora, as principais medidas tributárias incluem a redução das alíquotas, pela União, de PIS e Cofins, e alteração, pelos estados, da tributação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre combustíveis.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a estimar uma queda de 60 centavos no litro do diesel devido ao corte de impostos federais e à mudança na tributação estadual.
Mas o fato é que os cortes de impostos, ao menos por enquanto, vêm sendo anulados pela forte alta do petróleo, que praticamente dobrou de preço nos últimos doze meses. O barril do tipo Brent, negociado na bolsa de Londres e usado como referência pela Petrobras, saiu do patamar de US$ 65, em março de 2021, para US$ 110 atualmente.

"No Brasil, o combustível é caro em razão da tributação, mas ele não está caro, hoje, por causa da tributação. Ele está caro no mundo inteiro porque o preço do petróleo disparou. Então, usar essas medidas tributárias pequenas, parciais, para falar de redução de preço na bomba eu acho que é precipitado", afirma Pedro Rodrigues, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).
Rodrigues, do CBIE, também alerta que os cortes de impostos podem ser incorporados, em parte, pelas empresas que compõem a cadeia dos combustíveis – que começa no refino, passa pela distribuição e termina no posto.

"Não necessariamente uma redução de imposto, de alguns centavos, no preço do combustível, vai ser repassada na integralidade para o consumidor. Você pode ter uma apropriação dessa margem no entorno da cadeia", diz.

Além do petróleo, o preço cobrado pela Petrobras nas refinarias é influenciado pela cotação do dólar, que vem engatando sucessivas quedas em relação ao real. A moeda americana saiu da faixa de R$ 5,70, em março de 2021, para o patamar de R$ 4,75 atualmente. Em 12 meses, o dólar acumula queda de quase 17%. Esse recuo, porém, é bem inferior à alta do petróleo no mesmo período, de cerca de 70%.

Posts Relacionados

Por que cada vez mais brasileiros estão pedindo demissão?

Por que cada vez mais brasileiros estão pedindo demissão?

Dados do Ministério do Trabalho revelam que 7,3 milhões de brasileiros pediram demissão em 2023

Temu: varejista concorrente da Shopee e AliExpress inicia vendas no Brasil

Temu: varejista concorrente da Shopee e AliExpress inicia vendas no Brasil

Empresa de comércio eletrônico chega um dia após o Senado aprovar a chamada "taxa das blusinhas"

Governo divulga rótulo do arroz que será importado; pacote de 5 kg será vendido por R$ 20

Governo divulga rótulo do arroz que será importado; pacote de 5 kg será vendido por R$ 20

Governo vai comprar 300 mil toneladas e as primeiras vão chegar entre 10 de junho e 8 de setembro

Turismo internacional tem melhor abril da história com entrada de US$ 620 milhões

Turismo internacional tem melhor abril da história com entrada de US$ 620 milhões

Valor gasto por visitantes de outros países para o mês cresceu de 37,1% em relação a abril de 2023

Desemprego vai a 7,5% no trimestre terminado em abril, diz IBGE

Desemprego vai a 7,5% no trimestre terminado em abril, diz IBGE

Desocupação atinge 8,2 milhões. É o melhor resultado para este trimestre móvel desde 2014

Cartão de crédito: juros sobem novamente em abril e atingem 423% ao ano

Cartão de crédito: juros sobem novamente em abril e atingem 423% ao ano

Acima de 400% ao ano, essa é a linha de crédito mais cara do mercado financeiro

Como o BPO Pode Ajudar Sua Empresa a Crescer

Como o BPO Pode Ajudar Sua Empresa a Crescer

Em um mercado cada vez mais competitivo, as empresas estão constantemente buscando maneiras de otimizar suas operações e reduzir custos. Uma das estratégias mais eficazes

Prejuízos na agropecuária causados pelas chuvas no RS ultrapassam R$ 2,5 bilhões

Prejuízos na agropecuária causados pelas chuvas no RS ultrapassam R$ 2,5 bilhões

Os prejuízos causados pelas chuvas no Rio Grande do Sul no campo já ultrapassam R$ 2,5 bilhões, informou nesta sexta-feira (17) a Confederação Nacional de

pt_BRPortuguese