Voltar ao Início

Você está em:

Em meio às discussões sobre juros altos, crédito mais caro cresce no Brasil

Saldos das linhas como cartão de crédito e cheque especial aumentaram mais do que a média
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Linhas de crédito consideradas "ruins" e "caras" foram as que mais cresceram em janeiro deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Os dados são do relatório de acompanhamento fiscal da Instituição Fiscal Independente (IFI), publicado em 15 de março.

Tratam-se do cheque especial e do cartão de crédito, que têm as taxas de juros mais altas do mercado. Quem atrasa o cartão de crédito, por exemplo, pode pagar 182% ao ano (se parcelar o pagamento) ou 411% ao ano (se entrar no rotativo).

Já quem recorre ao cheque especial pode pagar juros de 132% ao ano. As porcentagens equivalem às taxas médias de juros de janeiro, divulgadas pelo Banco Central. Existem taxas mais baixas e muito mais altas nessas modalidades também — chegando a mais de mil por cento ao ano, por exemplo. Isso porque essas linhas são pré-aprovadas e, por isso, mais acessíveis.

As concessões de linhas associadas ao pagamento de dívidas, como os empréstimos com garantias de imóveis e de veículos, por exemplo, também subiram no mês. Já as linhas consideradas mais seguras, como o crédito consignado — que tem taxas de juros mais baixas por já ser descontado da folha de pagamento — e os financiamentos de veículos e imobiliário, subiram abaixo da média no mês (17,7% para pessoas físicas).

Segundo dados do Banco Central, o crescimento do saldo de crédito de janeiro deste ano em relação a janeiro do ano passado por modalidade foi o seguinte:
Cartão de crédito rotativo: 51%
Cartão de crédito parcelado: 41,1%
Cheque especial: 19,6 %
Empréstimo consignado: 16%
Empréstimo não consignado: 15,8 %
Crédito imobiliário: 14,1%
Aquisição de veículos: 7,3%

O diagnóstico acaba sendo o seguinte: ao invés de pegarem dinheiro barato para comprar carro ou casa, as pessoas estão pegando dinheiro caro para pagar outras dívidas.

Piora do crédito leva a endividamento e inadimplência
Segundo o relatório do IFI, o atual momento do mercado de trabalho tem parcela de culpa. O último dado relativo a emprego divulgado pelo IBGE no último dia 28 mostrou que, embora a queda da desocupação tenha garantido uma melhora no mercado de trabalho, a qualidade do emprego piorou e o país atingiu um número recorde de empregados sem carteira assinada: 12,9 milhões de trabalhadores.

Sem carteira assinada, os trabalhadores não conseguem pedir empréstimos consignados ou apresentar garantias para alguns financiamentos.

O relatório diz, ainda, que o aumento da inadimplência e do comprometimento da renda das famílias brasileiras também está ligado a esse cenário. Isso quer dizer que o pagamento de dívidas ocupa um pedaço maior dos salários dos brasileiros.

Posts Relacionados

Chuvas no RS: setor produtivo divulga primeiros balanços de prejuízos

Chuvas no RS: setor produtivo divulga primeiros balanços de prejuízos

Ainda sem dados mais robustos, entidades calculam impactos preliminares do desastre

IPCA: preços sobem 0,38% em abril, puxados por medicamentos e alimentos

IPCA: preços sobem 0,38% em abril, puxados por medicamentos e alimentos

Resultado veio acima das expectativas do mercado financeiro, que esperavam alta de 0,35% no mês

Câmara aprova projeto que incentiva geração de energia solar para atender baixa renda

Câmara aprova projeto que incentiva geração de energia solar para atender baixa renda

A proposta visa garantir o acesso à eletricidade para famílias em situação de vulnerabilidade social

Embraer aposta em conversão de aviões comuns em cargueiros para crescer no mercado

Embraer aposta em conversão de aviões comuns em cargueiros para crescer no mercado

De acordo com a Embraer, apesar do prejuízo líquido de R$ 63 milhões, esse resultado é otimista

Setor de máquinas agrícolas fatura 35% menos no trimestre, mas espera recuperação

Setor de máquinas agrícolas fatura 35% menos no trimestre, mas espera recuperação

Resultado é fruto de seca no campo, taxas elevadas e falta de créditos do governo no atual ciclo

Desemprego sobe a 7,9% no trimestre terminado em março, diz IBGE

Desemprego sobe a 7,9% no trimestre terminado em março, diz IBGE

Taxa cresceu 0,5 ponto percentual em relação ao período anterior e atinge 8,6 milhões de pessoas

Governo destina recursos de pesquisa para segurar alta na conta de luz

Governo destina recursos de pesquisa para segurar alta na conta de luz

Distribuidora que atua no estado do Norte do país deve aumentar tarifas em 34%

Governo propõe imposto parcial para picanha e outras proteínas de origem animal

Governo propõe imposto parcial para picanha e outras proteínas de origem animal

Equipe econômica enviou ao Congresso proposta para regulamentar reforma tributária

pt_BRPortuguese