Voltar ao Início

Você está em:

Após indulto, QG da reeleição teme desgastes à campanha com ‘libera geral’ de Bolsonaro

Fontes temem que o presidente estenda benefício a outros aliados, por avaliarem que isso afastaria o eleitor de centro
Amanda Omura

Amanda Omura

O QG da reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) predominantemente formado por lideranças do Centrão, não foi consultado sobre o indulto do presidente ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), mas atuou no “pós”: pediu ao presidente que não “libere geral” com medidas que possam, por exemplo, ampliar o embate com o Supremo Tribunal Federal, como anistiar de crimes aliados chamados de ideológicos como o blogueiro Allan dos Santos, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) e Zé Trovão, um dos líderes dos caminhoneiros – todos alvos de investigação na corte.

Um dos principais estrategistas da campanha de Bolsonaro explicou a preocupação do QG da reeleição: o presidente, apesar de não ter consultado seus aliados políticos a respeito do indulto a Silveira, “ganhou o jogo com o Supremo, ao conceder o indulto”, mas pedem cautela. Avaliam que Bolsonaro não pode “ficar arrogante” e achar que “pode tudo e liberar geral” em medidas como estender um benefício de anistia a aliados investigados, pois isso poderia ter impactos para a campanha com desgastes junto ao voto do eleitor de centro.

Por isso, argumenta esse aliado de Bolsonaro, o presidente precisa parar no indulto a Silveira e evitar ficar confortável o suficiente para seguir escalando em produções de crises com outros Poderes em prol de seus aliados, amigos e familiares – o que pode ser entendido pelo eleitor como “privilégio” e benefício aos “protegidos” do presidente da República, além de afastar o eleitor do centro que quer moderação e rechaça o estilo bélico do presidente na relação com outros poderes, gerando instabilidade democrática.

Bolsonaro está mais à vontade nas últimas semanas porque 1) tem comemorado as pesquisas que mostram que a distância para o ex-presidente Lula diminuiu 2) acha que a nota do ministro Barroso, do STF, ajudou a reforçar a divisão no STF, que não querem embates com as Forças Armadas, além de unir militares da reserva e da ativa.

Posts Relacionados

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

G20 terá grupo de Empoderamento Feminino para discutir igualdade e misoginia

Como Brasil preside grupo de países, debates serão coordenados pela ministra das Mulheres, Cida Gonçalves

en_USEnglish