Voltar ao Início

Você está em:

Como a guerra na Ucrânia pode se estender para a Transnístria?

Com apenas cinco mil quilômetros quadrados e 470 mil habitantes, tornou-se foco de atenção e pode ser sugada para a guerra
Amanda Omura

Amanda Omura

Três misteriosas explosões atingiram, nos últimos dias, alvos na Transnístria, uma região separatista pró-russa da Moldávia, na fronteira sul da Ucrânia. Com apenas cinco mil quilômetros quadrados e 470 mil habitantes, tornou-se foco de atenção e pode ser sugada para a guerra que Putin promove há dois meses na Ucrânia.

A independência proclamada em 1992, após a desintegração da URSS, não é oficialmente reconhecida por ninguém, nem mesmo pela Rússia, mas a região atua como um estado separado.

Preserva símbolos soviéticos, como a foice e o martelo na bandeira, a estátua de Lênin na entrada do Parlamento, assim como nomes de comunistas proeminentes em suas ruas.

Essa faixa estreita de terra tem governo, parlamento, moeda e polícia próprios e é sustentada pela Rússia, que fornece gás gratuito à região e mantém ali 1.500 soldados – o equivalente a um terço de suas forças armadas.
Não fossem os laços estreitos com Moscou, a Transnístria já teria sido inteiramente absorvida pela Moldávia, que se opõe claramente aos separatistas. Os ataques na região atingiram uma estação de rádio, a sede do Ministério de Segurança e uma base militar, num indício de que a guerra restrita ao território ucraniano pode se espalhar.
Separatistas e autoridades ucranianas se acusam mutuamente pela responsabilidade das explosões. A Rússia já admitiu o plano de criar um corredor de Donbass à Crimeia, para depois tomar o sul da Ucrânia e garantir, assim, o acesso à Transnístria. Mas, para assegurar o controle total do Sul, as forças russas teriam que conquistar Mykolaiv e Odessa, que ainda estão fortemente sob o domínio ucraniano.

A distância de apenas 80 quilômetros separa Chisnau, a capital da Moldávia, da Transnístria evidencia os temores sobre a extensão do conflito. Os tão propalados ataques de “bandeira falsa” poderiam facilmente servir de justificativa para uma ação militar russa.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

en_USEnglish