Voltar ao Início

Você está em:

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras
Amanda Omura

Amanda Omura

Não se contesta a alta popularidade de Nayib Bukele no comando de El Salvador, mas para se reeleger presidente do país, pela primeira vez em um século, ele precisou concentrar todo o poder em suas mãos, controlando Legislativo e Judiciário.

Declarou-se vencedor antes de os salvadorenhos conhecerem os resultados oficiais, numa apuração obscura, em que o site do TSE ficou três horas fora do ar, e a imprensa foi barrada da contagem preliminar.

Neste segundo mandato — inconstitucional por natureza e permitido graças a juízes nomeados por ele — Bukele governará absoluto, em regime de partido único. No ano passado, o Congresso foi reduzido de 84 para 60 legisladores, e o número de municípios caiu de 262 para 44.
O resultado dessa manobra foi anunciado menos de duas horas após o fechamento das urnas pelo próprio presidente: “Vencemos as eleições presidenciais com mais de 85% dos votos e um mínimo de 58 de 60 deputados”, proclamou.

Bukele abriu o caminho para solidificar, assim, o regime ditatorial em El Salvador, ainda que desfrutando de enorme prestígio entre a população. Sem opositores, ele afastou do Congresso os dois principais partidos – o esquerdista FMNL e o direitista Arena — e terá aval para manter o regime de exceção, em vigor desde março de 2022, e mudar o sistema político do país, como bem entender.
No palanque da vitória, Bukele chamou seu modelo de democrático. “Toda a oposição em conjunto foi pulverizada”, comemorou.

A propaganda do presidente se escora na redução de homicídios, no combate às gangues MS13 e Barrio 18, no encarceramento de mais de 70 mil pessoas — que representam 1% da população — e na construção de uma megaprisão, que ele se vangloria de ser a maior do continente.
Tudo isso assegurou a Bukele o título de presidente mais popular da América Latina, mas que, num paradoxo, está a ponto de consolidar El Salvador como uma ditadura.

Como afirmou em editorial o jornal “El Faro” - que, em função da perseguição do governo, passou a operar na Guatemala - os próximos cinco anos apenas prometem intensificar a concentração de poder, a utilização de bens e pessoal do Estado, a opacidade, a repressão e a punição.

Posts Relacionados

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Presidente da Argentina, Milei ofereceu apoio a Musk nos processos da Justiça brasileira em que o bilionário está sendo investigado

México pede suspensão do Equador na ONU

México pede suspensão do Equador na ONU

O objetivo da denúncia mexicana é "garantir a reparação do dano moral infligido ao Estado mexicano e a seus cidadãos", disse a ministra

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Ele não deu mais detalhes. Pouco depois, o Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que não foi informado sobre os planos

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

en_USEnglish