Voltar ao Início

Você está em:

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

Ataque desta quarta-feira (7) faz parte de resposta do país norte-americano ao bombardeio que matou três soldados na Jordânia
Amanda Omura

Amanda Omura

Os Estados Unidos mataram um dos líderes da milícia armada Kataib Hezbollah, apoiada pelo Irã, com um bombardeio de drone em Bagdá, capital do Iraque, nesta quarta-feira (7), segundo a Reuters.

O Pentágono confirmou que o homem morto era um líder do Kataib Hezbollah, milícia armada que integra as Brigadas Hezbollah e que seria responsável pelo ataque com drone na Jordânia no mês passado, que matou três soldados americanos e feriu mais de 40.
"As forças norte-americanas realizaram um ataque unilateral no Iraque em resposta aos ataques contra os militares norte-americanos, matando um comandante do Kataib Hezbollah responsável pelo planejamento direto e pela participação em ataques contra as forças norte-americanas na região", afirmou um comunicado das Forças Armadas dos EUA.

O bombardeio desta quarta (7) faz parte uma série de ataques do governo norte-americano, de Joe Biden, tem realizado como resposta ao ataque de drone na Jordânia. O governo iraniano afirmou que revidaria qualquer ataque feito pelos EUA.
Desde então, os Estados Unidos já fez alguns bombardeios. Com tensões elevadas, há uma preocupação com a possibilidade de uma piora generalizada dos conflitos no Oriente Médio.

O comunicado das Forças Armadas não menciona o nome do comandante do Kataib Hezbollah morto e informa que não há indícios de vítimas civis.

Duas fontes de segurança ouvidas pela Reuters sob a condição de anonimato disseram que o comandante morto seria Abu Baqir al-Saadi, que estava dentro de um veículo no leste de Bagdá.

Uma das fontes ouvidas pela Reuters afirmou que três pessoas estavam no veículo atacado e morreram. Ainda segundo a fonte, o veículo era usado pelas Forças de Mobilização Popular (PMF, em inglês) do Iraque, uma agência de segurança composta por dezenas de grupos armados, muitos deles próximos do Irã.

De acordo com oficiais dos EUA ouvidos pelo NY Times, o ataque foi um golpe "dinâmico" no comandante da milícia, que já era monitorado pela inteligência norte-americana. Os oficiais ainda indicaram que o país poderia atacar outros líderes e comandantes de milícias xiitas futuramente.

Posts Relacionados

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Presidente da Argentina, Milei ofereceu apoio a Musk nos processos da Justiça brasileira em que o bilionário está sendo investigado

México pede suspensão do Equador na ONU

México pede suspensão do Equador na ONU

O objetivo da denúncia mexicana é "garantir a reparação do dano moral infligido ao Estado mexicano e a seus cidadãos", disse a ministra

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Ele não deu mais detalhes. Pouco depois, o Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que não foi informado sobre os planos

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

en_USEnglish