Voltar ao Início

Você está em:

Invasão da Ucrânia destruiu o sistema de saúde

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 269 ataques atingiram hospitais, clínicas e outras estruturas
Amanda Omura

Amanda Omura

A invasão da Ucrânia, que começou no dia 24 de fevereiro, teve um forte impacto no sistema de saúde do país, que já era deficiente antes da guerra. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 269 ataques atingiram hospitais, clínicas e outras estruturas, mas é provável que esse número seja bem mais elevado.

A situação representa uma grave ameaça para milhões de ucranianos. No leste do país, a estimativa é de que apenas 15% dos profissionais de saúde ainda atuem na região.

Diante da precariedade e da falta de perspectiva sobre o fim do conflito, associações e ONGs se organizam para transferir feridos de guerra e pacientes com doenças crônicas para outras regiões, além de assegurar o atendimento básico, que inclui a vacinação e o acompanhamento das gestantes, por exemplo.

O coordenador da Organização Médico Sem Fronteiras na Ucrânia, Gustavo Fernandez, contou ao programa Priorité Santé, da RFI, que as condições de vida da população, sob ameaça constante de ataques e vivendo no subterrâneo, estão cada vez mais difíceis. A retirada dos feridos é sempre uma operação complexa, descreve, em função da cidade em que ela ocorre.
“Tentamos nos manter em contato com os voluntários locais e as pessoas que conhecem bem a situação interna. Também buscamos nos manter próximos dos médicos e dos enfermeiros que continuaram nas cidades e conhecem bem a população para fornecer, no dia a dia, o material para garantir a continuidade dos cuidados médicos”, declarou.

A equipe também deve estar pronta para atuar imediatamente em situações urgentes, que incluem, por exemplo, a transferência de pacientes durante os bombardeios. “É muito arriscado, mas temos que tentar instaurar um sistema que permita esse tipo de evacuação médica da população civil”, ressalta.

Duas Ucrânias
A impressão, diz o médico, é de que hoje existem “duas Ucrânias”: há regiões próximas do front, que vivenciam a guerra mais de perto, e outras onde a vida é relativamente normal. Os hospitais nesse local, entretanto, estão sobrecarregados.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

en_USEnglish