Voltar ao Início

Você está em:

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Depois de ataques mútuos, o Irã e o Paquistão iniciaram nesta sexta-feira (19) conversas diplomáticas para tentar minimizar a crise que gerou o temor da eclosão de um conflito descontrolado no Oriente Médio.

Na quarta-feira (17), o governo paquistanês disse ter sido bombardeado pelo Irã em seu território. No dia seguinte, o Paquistão revidou e lançou mísseis na quinta-feira (18) contra solo iraniano.

O Ministério de Relações Exteriores do Paquistão disse que o ministro da pasta conversou nesta manhã por telefone com o chanceler do Irã sobre a necessidade de que a crise entre os dois países não escale.
Segundo a pasta, Islamabad pediu cooperação na caça a grupos terroristas - que ambos os governos alegaram alvejar nos ataques.

Ataques mútuos
Na terça-feira (16), o Irã atacou uma base de um grupo rebelde no Paquistão. O governo paquistanês afirmou que os iranianos invadiram o espaço aéreo do país e que duas pessoas morreram no ataque.

Na ocasião, Islamabad disse também que o incidente poderia ter "sérias consequências" e que era "complementarmente inaceitável". Além do Paquistão, o Irã também atacou a Síria e o Iraque nesta semana, alimentando ainda mais a onda de conflitos que o Oriente Médio vive.
Como resposta, Paquistão bombardeou o Irã em uma região de fronteira, alvejando também grupos rebeldes separatistas.

Nove pessoas morreram, entre elas quatro crianças e três mulheres, segundo Teerã. O governo paquistanês afirmou ter alvejado um grupo rebelde separatista que atua no Irã, mas o Irã afirmou que o ataque atingiu civis de um vilarejo.
Segundo o governo iraniano, o vilarejo atingido fica na província de Sistão-Baluchistão, no sudeste do país e na fronteira com o Paquistão. O ataque iraniano a território paquistanês também ocorreu em uma região de fronteira entre os dois países.
O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão disse que os ataques tiveram como alvos "esconderijos terroristas" identificados no território iraniano. Os alvos em questão fazem parte da Frente de Libertação Balúchi, que busca a independência da província paquistanesa do Baluchistão.

Posts Relacionados

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Presidente da Argentina, Milei ofereceu apoio a Musk nos processos da Justiça brasileira em que o bilionário está sendo investigado

México pede suspensão do Equador na ONU

México pede suspensão do Equador na ONU

O objetivo da denúncia mexicana é "garantir a reparação do dano moral infligido ao Estado mexicano e a seus cidadãos", disse a ministra

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Ele não deu mais detalhes. Pouco depois, o Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que não foi informado sobre os planos

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

en_USEnglish