Voltar ao Início

Você está em:

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele
Amanda Omura

Amanda Omura

Como remanescente desafiante a Donald Trump na corrida pela indicação republicana à Casa Branca, a ex-embaixadora da ONU Nikki Haley parte para o tudo ou nada nas primárias de New Hampshire, nesta terça-feira (23), sabendo que as expectativas de uma vitória são baixas.

Um resultado razoável seria estreitar a vantagem do ex-presidente para ganhar impulso até as prévias em seu estado natal, a Carolina do Sul, onde foi governadora em dois mandatos.

Na esperança de conseguir aglutinar os opositores de Trump no partido e os eleitores independentes, para obter um bom desempenho em New Hampshire, Haley mudou de estratégia nos últimos dias e passou a confrontá-lo abertamente.

Questionou a sua aptidão mental — Trump trocou seu nome com o da ex-presidente da Câmara Nancy Pelosi — e criticou-o por mentir e tentar fazer amizade com ditadores que querem matar os americanos.

Esse esforço de resistência a Trump, contudo, chega tarde para ela. Única mulher entre os pré-candidatos republicanos, Haley evitou criticar o concorrente favorito, embora tenha sido alvo de seus ataques racistas e sexistas.

E errou feio quando recusou-se a dizer que a escravidão foi o principal causador da Guerra Civil, assegurando que os EUA nunca foram um país racista.

A ex-governadora preferiu se apresentar aos eleitores como a melhor alternativa a uma revanche entre Trump e Biden, que define como “mais do mesmo”, e apelou para o fator idade e para uma mudança geracional na Presidência dos EUA.

“Queremos realmente ter dois candidatos na casa dos 80 anos?”, questionou, aos 52 anos.

Como os demais concorrentes republicanos, que acabaram desistindo da disputa, Haley sofreu bullying de Trump. Filha de imigrantes indianos e nascida Nimarata Nikki Randhawa, foi alvo de piadas e foi chamada de burra pelo ex-presidente.

Ainda assim, ela disse que o perdoaria, caso fosse presidente dos EUA e ele, condenado pela Justiça por 91 acusações em quatro processos.

Posts Relacionados

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Milei se encontra com Elon Musk e oferece apoio

Presidente da Argentina, Milei ofereceu apoio a Musk nos processos da Justiça brasileira em que o bilionário está sendo investigado

México pede suspensão do Equador na ONU

México pede suspensão do Equador na ONU

O objetivo da denúncia mexicana é "garantir a reparação do dano moral infligido ao Estado mexicano e a seus cidadãos", disse a ministra

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Netanyahu diz que já tem data para atacar Rafah

Ele não deu mais detalhes. Pouco depois, o Departamento de Estado dos Estados Unidos disse que não foi informado sobre os planos

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

en_USEnglish