Voltar ao Início

Você está em:

Preocupado em perder eleitores, governo aposta em gestão de Adriano Pires na Petrobras para reduzir danos

Planalto espera que Pires consiga estancar e neutralizar efeitos eleitorais de decisões da estatal no preço do combustível
Amanda Omura

Amanda Omura

A escolha de Adriano Pires para o comando da Petrobras estava definida pelo governo Bolsonaro há cerca de dez dias. Foi uma escolha política, que ignorou qualquer sugestão de Paulo Guedes, ministro da Economia, e privilegiou o comando político do governo.
O nome de Adriano Pires surgiu após o governo decidir indicar Rodolfo Landim para o comando do conselho de administração da Petrobras.

Landim, que também preside o Flamengo, disse que aceitaria o conselho, mas que não estaria disposto a assumir a presidência da estatal, se isso fosse cogitado, pois não queria se desfazer de seus compromissos com o clube carioca. Foi, então, que Adriano Pires surgiu como substituto de Silva e Luna.

Faltava apenas comunicar ao general Silva e Luna que ele seria trocado, o que coube ao ministro Bento Albuquerque, de Minas e Energia; e o Planalto terminar de passar um pente fino no currículo de Pires para evitar problemas com a CVM.

Em momento algum, o governo cogitou manter Silva e Luna. Isso porque ele, para políticos do Centrão que comandam a campanha à reeleição de Bolsonaro, não tinha o traquejo político nem o conhecimento do tema que o Planalto precisa para, na versão de assessores políticos de Bolsonaro, “traduzir” à população as decisões sobre os combustíveis. E isso é prioridade para Bolsonaro no ano eleitoral.

É o preço do combustível o principal temor do governo, quando se trata de perda de eleitor.
Por isso a escolha de Pires: um nome que entende do assunto, já que ele é especialista no tema - diferentemente do general Silva e Luna - e que pode “traduzir” politicamente as medidas que forem tomadas pela estatal sobre combustíveis, com o objetivo de reduzir danos eleitorais.

O governo também tem a expectativa de que ele, por ter experiência na área, apresente alternativas e ideias para o preço dos combustíveis - agora, de dentro da estatal.

O Planalto também espera que a nova gestão da presidência da Petrobras faça uma espécie de resgate de gestões do PT na estatal, uma forma de, nas palavras de um interlocutor de Bolsonaro, relembrar o que foi feito para recuperar a imagem da Petrobras após a corrupção investigada pela Operação Lava Jato.

Em suma, o Planalto espera uma gestão com comunicação política de Adriano Pires no comando da Petrobras para estancar e neutralizar efeitos eleitorais de decisões da estatal no preço do combustível.

Posts Relacionados

STF discute se é necessário apresentar motivo para demissão de empregados públicos

Relator, ministro Alexandre de Moraes, entendeu que estatais não precisam apresentar as razões para a demissão

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

en_USEnglish