Voltar ao Início

Você está em:

Quem vai tomar a vacina bivalente? Por que devemos tomar o reforço?

Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (26) que a aplicação das vacinas de segunda geração começa no fim de fevereiro
Amanda Omura

Amanda Omura

O plano de vacinação contra Covid-19 para 2023 foi divulgado nesta quinta-feira (26) pelo Ministério da Saúde. Pessoas que fazem parte de grupos de risco serão os primeiros a receber o reforço com os imunizantes bivalentes da Pfizer a partir do dia 27 de fevereiro.

1 - O que são as vacinas bivalentes?
O vírus SARS-CoV-2 vem sofrendo mutações desde o início da pandemia (e isso é normal). Atualmente, a variante dominante no mundo é a ômicron, bem diferente do vírus original.
A vacina monovalente (primeira geração) foi criada em cima da cepa encontrada em Wuhan, na China. Já a vacina bivalente (segunda geração) foi elaborada para oferecer uma proteção extra contra a ômicron e suas subvariantes.

2 - Quem vai poder tomar as vacinas bivalentes?
No Brasil, o reforço com a vacina bivalente começa por grupos mais expostos ao risco da doença e foi dividido em quatro fases, na seguinte ordem de prioridade:
Fase 1 - Com 70 anos ou mais, pessoas que vivem em instituições de longa permanência (ILP), imunocomprometidas, comunidades indígenas, ribeirinhas e quilombolas;
Fase 2 - 60 a 69 anos;
Fase 3 - Gestantes e puérperas;
Fase 4 - Profissionais da saúde.

Só poderá tomar o reforço com a vacina bivalente quem já tiver tomado ao menos duas doses das vacinas contra a Covid monovalentes, que estão sendo ofertadas no SUS desde 2021 (de qualquer laboratório);
Ou seja: quem só tomou uma dose até agora, vai ter que tomar ainda a segunda dose da primeira versão da vacina para estar apto a tomar a bivalente.
As vacinas bivalentes da Pfizer estão autorizadas para uso na população a partir dos 12 anos - a Anvisa ainda analisa o pedido para aplicação em crianças de 5 a 11 anos.

3 - Por que devemos tomar o reforço com a bivalente?
O objetivo do reforço com a vacina bivalente é expandir a resposta imune específica à variante ômicron e melhorar a proteção da população.
Dados preliminares apontaram que o reforço da bivalente gera uma forte resposta imune, aumentando substancialmente os níveis de anticorpos neutralizantes contra as subvariantes da ômicron.
E as monovalentes? Isso não significa que a vacina de primeira geração é ineficaz. As vacinas monovalentes ainda mantêm a efetividade contra a doença na forma grave e óbitos, desde que as doses sejam aplicadas conforme a recomendação do Ministério da Saúde.

Posts Relacionados

SP tem alta de 32% em casos de gastroenterite em 2023; como prevenir

SP tem alta de 32% em casos de gastroenterite em 2023; como prevenir

Transmitida pelo contato com bactérias ou vírus presentes em água e alimentos contaminados, virose é comum no período de verão

Rio proíbe uso de celulares nas escolas até no recreio; veja exceções

Rio proíbe uso de celulares nas escolas até no recreio; veja exceções

A medida veio depois de uma consulta pública, aberta em dezembro, em que 83% concordaram com a restrição

Um terço dos eleitores do RJ ainda não tem biometria cadastrada; prazo vai até maio

Um terço dos eleitores do RJ ainda não tem biometria cadastrada; prazo vai até maio

TRE-RJ quer cadastrar cerca de 4,4 milhões de eleitores até eleições municipais. Total representa 34,15% do eleitorado do estado

Entenda por que tem mais dengue com o El Niño e por que a situação pode piorar

Entenda por que tem mais dengue com o El Niño e por que a situação pode piorar

É esperado um pico da epidemia para o final de março e começo de abril, o que gera uma 'perspectiva grande de piorar o quadro'

Ambev começa credenciamento de ambulantes para trabalhar no carnaval

Ambev começa credenciamento de ambulantes para trabalhar no carnaval

Segundo a empresas, podem se inscrever somente pessoas maiores de 18 e que possuam residência no município de São Paulo

Celular Seguro ultrapassa 12 mil alertas de roubo ou perda um mês após lançamento

Celular Seguro ultrapassa 12 mil alertas de roubo ou perda um mês após lançamento

O principal motivo de bloqueio foi roubo (5.496 ocorrências), seguido de furto (3.965), perda (2.549) e outros (601)

Mais de um terço dos municípios têm moradores em áreas de risco de desastres

Mais de um terço dos municípios têm moradores em áreas de risco de desastres

Documento de ministérios do governo federal identificou 1.942 cidades com regiões suscetíveis a deslizamentos, enxurradas e inundações

Leilão da Receita tem carro por R$ 15 mil e celulares por R$ 500; veja como participar

Leilão da Receita tem carro por R$ 15 mil e celulares por R$ 500; veja como participar

As propostas de valor para o leilão podem ser feitas até as 21h do dia 29 de janeiro, e a sessão pública para lances ocorre

en_USEnglish