Voltar ao Início

Você está em:

Rússia quer voltar ao Conselho de Direitos Humanos

Acusado de crimes de guerra na Ucrânia e expulso do órgão no ano passado, país liderado por Putin concorrerá a nova eleição
Amanda Omura

Amanda Omura

Expulsa do Conselho de Direitos Humanos da ONU no ano passado, a Rússia faz lobby para voltar a integrar o órgão, a despeito das sucessivas provas de crimes de guerra cometidos na Ucrânia e de seu presidente, Vladimir Putin, ter um mandado de captura expedido pelo Tribunal Penal Internacional.

Outros regimes autocráticos, como China e Cuba, também são candidatos ao CDH, com sede em Genebra, que tem 47 membros eleitos para um mandato de três anos.

O paradoxo mereceu o protesto conjunto de ONGs de direitos humanos, como a UN Watch, a Human Rights Foundation e o Raoul Wallenberg Center for Human Rights.

“Eleger as ditaduras de China, Rússia e Cuba como juízes da ONU em matéria de direitos humanos é como transformar um bando de incendiários em bombeiros”, resumiu Hillel Neuer, diretor da UN Watch.

A votação será no próximo dia 10 e decidida pelos 193 membros da ONU. De acordo com o documento obtido por CNN e BBC, a Rússia justifica sua posição para obter apoio à candidatura, alegando que o órgão não pode se transformar em instrumento que serve às vontades políticas de um grupo de países que pune os que não são leais.

Diplomatas ouvidos pela BBC qualificaram como agressiva a campanha russa, que oferece cereais e armas a pequenos países em troca de votos.

A relatora especial da ONU para a Rússia, Mariana Katzarova, expôs recentemente no Conselho de Direitos Humanos suas preocupações sobre detenções em massa e uso persistente de tortura e assédio a quem se pronuncie contra a guerra na Ucrânia ou ao governo liderado por Putin.

Trata-se, conforme ela explicou, de um padrão de supressão de direitos civis e políticos do país.

Foi a primeira vez em sua história que o Conselho de Direitos Humanos autorizou um perito independente a investigar violações dos direitos humanos em um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Posts Relacionados

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

en_USEnglish