Voltar ao Início

Você está em:

Esquerda negocia união para legislativas na França

Uma esquerda dividida, desde o centro à ala mais radical, apresentou seis candidatos à eleição, mas não chegaram ao segundo turno
Amanda Omura

Amanda Omura

Após ficar de fora do segundo turno da eleição presidencial francesa, os partidos de esquerda intensificaram, nesta segunda-feira (2), seus esforços para se apresentarem unidos nas legislativas de junho e tentarem condicionar as políticas do mandatário reeleito, o liberal Emmanuel Macron.
"Podemos falar de um acordo histórico", indicou, nesta segunda, à rádio France Inter, o diretor de campanha do França Insubmissa (LFI, esquerda radical), Manuel Bompard, após um primeiro acordo alcançado com os ecologistas, enquanto seguem negociando com os comunistas e com os socialistas.

Bompard deseja que o acordo com o Europa Ecológica-Os Verdes (EELV), fechado no domingo à noite (1), "seja o início de uma dinâmica" que tem como objetivo "encarar as próximas eleições legislativas com uma perspectiva majoritária e ganhá-las".

Uma esquerda dividida, desde o centro à ala mais radical, apresentou seis dos 12 candidatos à eleição presidencial de abril, mas não conseguiu chegar ao segundo turno. Esse, como em 2017, viu um duelo entre o mandatário centrista Emmanuel Macron e a ultradireitista Marine Le Pen.

O candidato da LFI, Jean-Luc Mélenchon, reforçado pelo reflexo do "voto útil" de uma parte dos eleitores da esquerda, conseguiu quase 22% dos votos no primeiro turno, ficando a 1,2% e a 420.000 votos da segunda classificada, Le Pen.

Mélenchon tenta agora aproveitar esse impulso nas eleições legislativas.

A oposição a Macron apresentou as eleições de 12 e de 19 junho como um "terceiro turno" da presidencial, sobretudo porque sua reeleição aconteceu em parte pelos eleitores de esquerda que votaram no presidente para impedir a chegada ao poder de sua rival de extrema-direita.

A maioria dos franceses, segundo duas pesquisas publicadas, também deseja que o mandatário centrista perca a maioria no Parlamento.

Posts Relacionados

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

Ataque desta quarta-feira (7) faz parte de resposta do país norte-americano ao bombardeio que matou três soldados na Jordânia

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Tribunal dos EUA nega imunidade a Donald Trump

Corte de Apelações rejeitou pedido de advogados do ex-presidente de que ele gozava de proteção legal porque era presidente à época

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

pt_BRPortuguese