Voltar ao Início

Você está em:

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil
Amanda Omura

Amanda Omura

Em audiência no Senado americano nesta quarta-feira (31), Mark Zuckerberg, pressionado, voltou-se aos pais de crianças afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil disponibilizados nas redes sociais e pediu desculpas.

"Desculpe por tudo que vocês passaram. Ninguém deveria passar pelas coisas que suas famílias sofreram."

A audiência havia começado com com a exibição de um vídeo em que jovens relataram que foram vítimas de crimes sexuais nas redes sociais. E de familiares que falaram sobre a perda de seus filhos e ergueram, silenciosamente, fotos de crianças e adolescentes.

Kelli Angelini, advogada especialista em educação digital e autora do livro "Segredos da internet que crianças e adolescentes ainda são sabem", diz acreditar que o pedido de desculpas de Zuckerberg "não muda muito o que está por vir".

"Não é possível saber qual é a intenção efetiva do pedido de desculpas. Se há realmente uma empatia com as famílias que tiveram vítimas, se tem alguma intenção por trás de diminuir a responsabilização ou legislação que vem a responsabilizar."

Mas que "escancarar" o que está acontecendo com crianças e adolescentes em redes sociais em audiências como essa, nos EUA, alimenta o debate e as discussões sobre o assunto no mundo, inclusive no Brasil.

"A gente ainda não tem legislações que tratem efetivamente da responsabilização das plataformas digital de um modo geral, especialmente no Brasil, mas o assunto está em debate mundial. […] O que se pede hoje é a adoção de medidas para proteção dessas crianças e adolescentes e quando não adotadas, que elas sejam responsabilizadas pela omissão."

Para Angelini, é preciso tratar do desamparo de crianças e adolescentes nas redes sociais para que elas estejam efetivamente protegidas de danos à saúde mental e à vida.

"Hoje, o cenário é o seguinte: elas [big techs] estão lucrando com as crianças e adolescentes no uso das redes sociais, É lucrativo para ela."

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese