Voltar ao Início

Você está em:

Ex-chanceler diz que Planalto pediu reunião com embaixadores

Carlos França, que chefiava Ministério das Relações Exteriores, disse que apenas ajudou Presidência na organização
Amanda Omura

Amanda Omura

O ex-ministro das Relações Exteriores Carlos França disse, em depoimento, que foi a Presidência da República quem pediu a realização de uma reunião com embaixadores, na qual o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) atacou, sem provas, o sistema eleitoral brasileiro.
A reunião motivou o processo em julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que pode levar à inelegibilidade de Bolsonaro. O relator do caso, ministro Benedito Gonçalves, já se manifestou pela condenação do ex-presidente.

O depoimento de Carlos França foi no âmbito da ação no TSE. O documento está em sigilo, apesar de o processo ser público. O teor das declarações foi divulgado pelo jornal "O Globo", e confirmado pela GloboNews.

O encontro citado ocorreu em julho de 2022, quando Jair Bolsonaro reuniu, no Palácio da Alvorada, embaixadores de diversos países. Na reunião, que foi transmitida por redes e canais oficiais do governo, o então presidente fez ataques infundados às urnas e ao sistema eleitoral.

No depoimento, ao ser questionado sobre a iniciativa para realização da reunião, o ex-chanceler respondeu: "Bom, esse encontro ocorre organizado pela Presidência da República".

Em outro momento, o juiz responsável por tomar o depoimento perguntou ao ex-ministro se coube ao Ministério das Relações Exteriores fazer o contato com as embaixadas para o evento. Carlos França negou a articulação.
"O que eu fiz foi auxiliar a Presidência da República naquilo que me cabe. Na minha pasta…a orientação… uma vez tomada a decisão de fazer o evento, que nós julgávamos que deveria ser o público-alvo", disse.

Ação no TSE
Os ataques feitos pelo ex-presidente na reunião com embaixadores chegaram ao TSE por meio de uma ação do PDT, que acusa Bolsonaro de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação. Se for condenado, ele pode ficar inelegível por 8 anos.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) também se manifestou pela condenação. Já a defesa do ex-presidente alega que a reunião com embaixadores, mesmo ocorrendo meses antes das eleições, não teve caráter eleitoral.
Os advogados também afirmam que as falas sobre as urnas fizeram parte de um "debate de ideias" para aprimorar o sistema de votação do país.

Posts Relacionados

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Lula busca apoio de governadores e religiosos para manter veto a PL da ‘saidinha’

Governo quer influenciar posição da bancada religiosa no Congresso e apelar para governadores sobre risco de crises

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

Lula quer lançar crédito para permitir que inscritos no CadÚnico possam empreender

A expectativa é que nessa linha de crédito as taxas de juros sejam a metade do que o Pronampe cobra

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

PL das redes sociais pode entrar na pauta do Colégio de Líderes esta semana

Orlando Silva tenta colocar projeto na pauta da Câmara, mas diz que tema polêmico e lobby das "big techs" atrapalham

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

O que é o Sistema Nacional de Cultura, sancionado por Lula nesta semana

Mecanismo tem sido chamado de 'SUS da Cultura' e promete facilitar o acesso aos financiamentos no segmento

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Em meio a crise na Petrobras, governo resolve pagar metade dos dividendos

Com pagamento de aproximadamente R$ 20 bilhões, União terá direito a R$ 6 bilhões, valor que ajudará na meta fiscal

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Haddad repete apelo por ‘pacto’ entre Poderes para cumprimento de metas

Pacheco, presidente do Senado, declarou a perda de validade de trechos da MP editada pelo governo para elevar receitas

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Câmara aprova retrocessos na pauta ambiental e pode fragilizar prevenção

Textos liberam garimpo em reservas, flexibilizam medidas contra incêndios e extinguem taxas que custeiam Ibama

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

No Brasil, Macron pretende negociar investimentos bilaterais

Presidente francês passará por 4 cidades em 3 dias a partir da semana que vem; comitiva terá cerca de 140 empresários

pt_BRPortuguese