Voltar ao Início

Você está em:

Extrema direita impõe instabilidade em Portugal

Com narrativa xenófoba e populista, partido de extrema direita quadruplica número de assentos e deve direcionar os rumos do Parlamento
Amanda Omura

Amanda Omura

No fim de uma noite nebulosa, os únicos que tinham bons motivos para comemorar eram os integrantes do partido de extrema direita Chega, que será essencial para definir o rumo do governo português.

As duas principais legendas — Aliança Democrática e Socialista — iniciam a nova legislatura praticamente empatadas, com ligeira vantagem para a primeira, e sem maioria no Parlamento.

Os radicais de direita, por sua vez, quadruplicaram o número de assentos, de 12 para 48, e, como terceira força política, terão poder suficiente para impor a sua narrativa.

Por isso tudo, fez sentido a frase do líder do Chega, André Ventura, assim que saíram as primeiras projeções: “Hoje é o dia que assinala o fim do bipartidarismo em Portugal”.

Se Ventura afirmou que trabalharia por um governo estável, com forte maioria à direita, o líder da Aliança Democrática, Luís Montenegro, assegurou que manterá seu compromisso de campanha, de não se aliar ao Chega — a formação mais viável para garantir a governabilidade.
“Seria tamanha maldade, seria descumprir compromissos que assumi de forma tão clara”, antecipou em seu discurso de “vitória”.

Com 99% dos votos apurados e quatro assentos ainda a serem definidos pelos portugueses emigrantes, a AD, de centro-direita, tinha 79 deputados e o PS, 77. Um governo de minoria parlamentar, liderado pela Aliança Democrática, antevê uma difícil governabilidade, com o país mergulhado na instabilidade.

Se prosseguir em sua missão de descartar uma coligação com a extrema direita, Luís Montenegro terá de exercitar a arte cotidiana do equilíbrio para governar: terá de negociar com o PS, a quem seu partido deu as costas durante os oito anos de governo socialista, ou o Chega, que fundamentou suas bases na xenofobia e no populismo.
O carismático Ventura capitalizou a frustração dos portugueses com a criminalidade, o aumento da imigração e a corrupção para garantir a ascensão vertiginosa do partido.

Repetiu o discurso de outros expoentes da extrema direita no mundo, como Donald Trump, Jair Bolsonaro e Javier Milei, e questionou a confiabilidade das urnas — as mesmas que lhe garantiram, no domingo, 48 deputados.

Posts Relacionados

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

Terremoto de 4,8 de magnitude atinge Nova York

A profundidade do terremoto, de acordo com a USGS, foi de 5 quilômetros abaixo da superfície -- uma profundidade considerada baixa

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Blinken diz que Ucrânia vai ser membro da Otan

Ele também afirmou que apoiar a Ucrânia é importante porque os russos estão recebendo ajuda para aumentar sua indústria de defesa

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

Pressionado, Netanyahu endurece o discurso

O primeiro-ministro de Israel é pressionado pela antecipação de eleições gerais e pela crise deflagrada em sua coligação extremista

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

Ataque destrói consulado iraniano na Síria

A Guarda Revolucionária do Irã anunciou que sete de seus membros, entre eles três comandantes, morreram no bombardeio

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Na Faixa de Gaza, 12 pessoas morrem afogadas

Os Estados Unidos optaram por jogar caixas de aviões porque há dificuldades para entrar com caminhões na Faixa de Gaza

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Rússia e China vetam proposta dos EUA de cessar-fogo

Ao justificar seu voto, o embaixador da Rússia na ONU, Vassily Nebenzia, acusou os Estados Unidos de falsas promessas

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

Regime cubano tenta aplacar a ira da população

As manifestações populares foram contidas pela repressão policial, em sincronia com o bloqueio imediato do serviço de internet

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

O que esperar do triunfo eleitoral de Putin?

Presidente russo usará reeleição com supostos 87,2% dos votos como demonstração da unidade nacional para prolongar guerra

pt_BRPortuguese