Voltar ao Início

Você está em:

Fundo Amazônia: Casa Branca definirá com Congresso valor a ser doado, diz embaixadora

Segundo Elizabeth Bagley, montante exato do aporte será definido por governo e Senado norte-americanos
Amanda Omura

Amanda Omura

A embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Elizabeth Frawley Bagley, afirmou nesta quarta-feira (15) que a Casa Branca definirá "nas próximas semanas" com o Congresso norte-americano o valor que o país irá doar para o Fundo Amazônia.

Elizabeth Frawley Bagley deu a declaração durante entrevista na sede da embaixada dos Estados Unidos, em Brasília.
"Ficamos muito felizes de fazer parte [do fundo]. O Congresso dos Estados Unidos vai tomar as decisões, e eles poderão e farão a determinação dos valores exatos autorizados, a Casa Branca e o Congresso. Primeiro, a Casa Branca, e depois, o Senado, trabalharão juntos para estabelecerem os valores exatos", declarou a embaixadora.
"Prevemos que nas próximas semanas o valor será divulgado. Estamos muito entusiasmados", acrescentou Elizabeth.
Na semana passada, o presidente Lula viajou a Washington e se reuniu com o presidente dos EUA, Joe Biden.
Após o encontro, os Estados Unidos anunciaram intenção de contribuir com o fundo, mas não informaram o valor. Segundo o blog da Julia Duailibi, o montante deve ser de US$ 50 milhões.

Criado em 2008 para financiar projetos de redução do desmatamento e fiscalização do bioma, o Fundo Amazônia ficou parado entre 2019 e 2022, na gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Ao tomar posse em janeiro deste ano, o presidente Lula determinou a reativação do fundo.

Diante da decisão de Lula, Noruega e Alemanha (principais doadores) anunciaram a retomada dos repasses. A União Europeia também já anunciou intenção de contribuir com o fundo.
Defesa da democracia
Durante a entrevista desta quarta-feira, a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil disse que o presidente Joe Biden quer trabalhar em conjunto com Lula para a defesa da democracia.

Elizabeth Frawley Bagley citou os atos terroristas de 8 de janeiro em Brasília, praticados por vândalos bolsonaristas radicais, e a invasão do Congresso americano em 6 de janeiro de 2021.
"Os dois [Biden e Lula] falaram [na reunião que tiveram] sobre o efeito da desinformação e da informação errada não apenas na campanha, mas sobre as subsequentes repercussões de tudo isso, como aconteceu no dia 6 de janeiro nos Estados Unidos e em 8 de janeiro no Brasil, além das dificuldades que surgem quando a democracia é desafiada ao redor do mundo", declarou a embaixadora.

Posts Relacionados

El Salvador se consolida como regime de partido único

El Salvador se consolida como regime de partido único

Apesar da alta popularidade, presidente concentra poderes e anuncia a pulverização da oposição, com controle de 58 das 60 cadeiras

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

EUA discute sobre a responsabilização das big techs

Mark Zuckerberg pediu desculpas a familiares de crianças e adolescentes afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores impõem ‘cerco’ a Paris em protesto

Agricultores pressionam governo para recuperar danos causados pela inflação e a guerra, além de políticas prejudiciais ao setor

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Começa paralisação na Argentina contra Milei

Ato foi convocado pela maior central sindical do país e tem adesão de funcionários de bancos, comércio, setor bancário e caminhoneiros

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Irã e Paquistão abrem diálogo por crise no Oriente

Nesta semana, Paquistão disse que bombardeou base de grupo separatista em território iraniano, um dia após dizer ter sido atacado Irã

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Otan convoca 90 mil soldados para exercício militar

Aliança militar do Ocidente convoca 90 mil soldados de países membros e da Suécia para primeiro exercício militar de 2024

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Conflitos se espalham pelo Oriente Médio

Israel combate o Hamas e o Hezbollah, aliados do Irã, que apoia também os Houthis, grupo rebelde do Iêmen que ataca navios

pt_BRPortuguese