Voltar ao Início

Você está em:

G7 anuncia novas sanções contra a Rússia

Líderes afirmaram que permanecerão unidos contra a "agressão ilegal, injustificável e não provocada da Rússia contra a Ucrânia"
Amanda Omura

Amanda Omura

Os líderes do G7, o grupo dos países mais industrializados do mundo, anunciaram nesta sexta-feira (19) novas sanções para minar a economia militar da Rússia, que é novamente o foco da cúpula anual do grupo.
O G7 é formado por Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá. Neste ano, o líder ucraniano, Volodymyr Zelensky, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foram convidados a participar. Lula já chegou ao Japão.

Em comunicado no início do encontro de líderes deste ano, que acontece em Hiroshina, no Japão, os países afirmam que a intenção com o novo pacote de restrições econômicas e comerciais é "privar a Rússia da tecnologia, equipamento industrial e serviços do G7 que sustentam sua máquina de guerra" na Ucrânia.

O pacote inclui ainda restrições às exportações de produtos "críticos para a Rússia no campo de batalha" e medidas contra entidades acusadas de transportar material para o front a favor de Moscou.

A Rússia, que fazia parte do grupo, foi retirada dele por conta das incursões ao país vizinho.

Nesta manhã, os líderes dos Estados Unidos, Joe Biden, da Alemanha, Olaf Scholz, do Reino Unido, Rishi Sunak, da Itália, Giorgia Meloni, do Canadá, Justin Trudeau, e da França, Emmanuel Macron, e do Japão, Fumio Kishida, fizeram a primeira reunião do grupo.

A presidente da Comissão Europeia - o braço executivo da União Europeia -, Ursula Von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, também participaram do encontro.

No comunicado, os líderes afirmaram que permanecerão unidos contra a "agressão ilegal, injustificável e não provocada da Rússia contra a Ucrânia".

"Quinze meses de agressão da Rússia custaram milhares de vidas, infligiram imenso sofrimento ao povo da Ucrânia e colocaram em risco o acesso a alimentos e energia para muitas das pessoas mais vulneráveis ​​do mundo", declararam, no comunicado conjunto.

Posts Relacionados

‘Se Lula vier, será bem-vindo’, diz Milei

‘Se Lula vier, será bem-vindo’, diz Milei

Diana Mondino, que é uma das pessoas de maior confiança, declarou que gostaria que o Presidente Lula viesse para a cerimônia

O que se sabe dos reféns do Hamas em Israel

O que se sabe dos reféns do Hamas em Israel

Sua liberação está sendo planejada por etapas, em troca de uma trégua de quatro dias e da soltura de prisioneiros palestinos

Israelenses se armam e se agrupam em milícias

Israelenses se armam e se agrupam em milícias

No comando da segurança interna do país, Ben-Gvir coordena a distribuição de armas e a formação de esquadrões comunitários

ONU aprova resolução que pede pausa humanitária

ONU aprova resolução que pede pausa humanitária

Proposto de Malta sobre guerra entre Israel e Hamas foi votada nesta quarta-feira (15) pelo Conselho de Segurança. Israel rejeita texto

‘Quase um cemitério’: situação do hospital de Gaza

‘Quase um cemitério’: situação do hospital de Gaza

A OMS alertou em 13 de novembro que o Hospital Al-Shifa é "quase um cemitério", com corpos amontoados dentro e fora do local

Tim Scott desiste de tentar concorrer à presidência

Tim Scott desiste de tentar concorrer à presidência

A saída de Scott pode proporcionar um impulso modesto para outros candidatos que tentam desalojar Trump do primeiro lugar

Por que os houthis, do Iêmen, estão atacando Israel?

Por que os houthis, do Iêmen, estão atacando Israel?

Movimento rebelde patrocinado pelo Irã tenta abrir nova frente de guerra e já fez quatro tentativas para atingir o sul do país

Israel aceita fazer ‘pausas’ militares de 4 horas por dia

Israel aceita fazer ‘pausas’ militares de 4 horas por dia

As pausas, que serão anunciadas com três horas de antecedência, surgiram de discussões entre autoridades dos EUA e de Israel

pt_BRPortuguese