Voltar ao Início

Você está em:

General Amaro é cotado para o GSI; militar comandou órgão no governo Dilma

Coronel G. Dias deixou o cargo após aparecer em vídeos de circuito interno circulando entre os golpistas no dia 08 de janeiro
Amanda Omura

Amanda Omura

O general do Exército Marcos Antônio Amaro é cotado para chefia do Gabinete de Segurança lnstitucional (GSI) da Presidência da República, em substituição ao coronel G. Dias, que deixou o cargo após aparecer em vídeos de circuito interno circulando entre os golpistas durante invasão ao Palácio do Planalto, no 8 de janeiro.

Atualmente na reserva, o general Amaro foi chefe do GSI no governo de Dilma Rousseff (PT) e é tido como pessoa de confiança.

Foi na época em que o general comandava a segurança presidencial, e o GSI ainda era responsável por essa tarefa, que Dilma disse ter driblado os seguranças para uma escapada em um passeio de moto por Brasília em agosto de 2013.
A revelação da aventura foi feita pelo então ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, citando que ouviu da própria Dilma sobre a façanha, confirmada a ele pelo general Amaro.

Polêmica
A invasão do Planalto ganhou nova repercussão nos últimos dias ao ser divulgado um trecho do circuito interno, até então inédito, que mostrava Gonçalves Dias circulando entre os golpistas. Após a divulgação do vídeo pela CNN Brasil, na quarta-feira (19), Dias se demitiu. Ele afirma que estava no Planalto para retirar os invasores de lá.

Todas as imagens do circuito interno, que compreendem centenas de horas de gravação, foram liberadas pelo GSI por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF.
Algumas câmeras foram desativadas pelos invasores. Por isso, pode ser que alguns fatos no dia da invasão não tenham sido registrados.

Dias é visto com invasores
No 3º andar, Dias volta do mesmo corredor e aponta a saída para os invasores.

O ex-ministro continua no 3º andar e conversa no hall do gabinete presidencial com um homem de camisa branca. Em seguida, os dois entram em uma sala.

Gonçalves Dias aparece no subsolo do Palácio vindo da garagem. Ele passa pela catraca acompanhado de outro homem.

Somente às 22h51, o general é visto passando pela catraca do subsolo do Palácio rumo à saída.

Posts Relacionados

STF discute se é necessário apresentar motivo para demissão de empregados públicos

Relator, ministro Alexandre de Moraes, entendeu que estatais não precisam apresentar as razões para a demissão

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Toffoli cobra dados sobre atuação da Transparência Internacional na Lava Jato

Ministro do STF diz ser preciso investigar se recursos públicos foram parar na ONG, que nega recebimento

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Lula chama evento com Tarcísio em SP de ‘ato civilizatório’, e diz que dará ‘todo apoio’

Presidente e governador participaram de cerimônia sobre construção de túnel entre Santos e Guarujá

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

Bolsonaro pode ter recebido informações da Abin após ex-presidente deixar o cargo

A suspeita é de que assessores de Carlos Bolsonaro pediam informações para o ex-diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

Governo estuda prorrogar GLO em portos e aeroportos por 6 meses

As Forças Armadas ganharam poder de polícia nos aeroportos, e nos portos a Marinha passou a monitorar os acessos

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Lula conversa com presidente do Equador e oferece ajuda em crise de segurança

Há preocupação no Palácio do Planalto de que a escalada da violência atinja brasileiros que vivem no Equador

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

CGU conclui que é falso registro de que Bolsonaro teria se vacinado contra a Covid

De acordo com a Controladoria, os resultados serão encaminhados às autoridades do estado e do município de São Paulo

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Isenção fiscal para líderes religiosos tiraR$ 300 milhões dos cofres públicos

Suspensão da regra que desonerava líderes religiosos abriu novo capítulo de desgaste com equipe econômica

pt_BRPortuguese