Voltar ao Início

Você está em:

Governo trabalha por ‘feminicídio zero’, mas vê dificuldade em atingir meta até 2026

Cida Gonçalves deu declaração durante encontro sobre política de combate à violência contra a mulher
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, afirmou nesta segunda-feira (17) que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) trabalha para chegar ao "feminicídio zero", mas que há dificuldade para atingir essa meta até 2026.

Cida Gonçalves deu a declaração ao participar da cerimônia de abertura do Encontro Nacional das Casas da Mulher Brasileira, em Brasília.

Levantamento dos 26 estados e do Distrito Federal mostra que o país registrou em 2022 o maior número de feminicídios em um ano, com uma mulher morta a cada seis horas. Ao todo, foram 1,4 mil mulheres mortas, um aumento de 5% em comparação a 2021.
"O presidente Lula já me falou várias vezes: 'Eu quero feminicídio zero'. Todas nós […] sabemos que, para ter feminicídio zero, tem muitas ações a serem feitas, temos que ter ações de prevenção, de conscientização, de sensibilização, de atendimento e fortalecimento", afirmou a ministra.

"E, para termos feminicídio zero, temos que enfrentar a impunidade, precisamos enfrentar o ódio, precisamos traçar todos os caminhos necessários para, de fato, não termos mais feminicídio. E nós sabemos que, em quatro anos de mandato do presidente Lula e na minha estadia no ministério, dificilmente conseguiremos feminicídio zero", completou Cida Gonçalves.

Casa da Mulher Brasileira
A primeira Casa da Mulher Brasileira foi inaugurada em 2015, em Campo Grande (MS), durante o governo Dilma Rousseff. Atualmente, segundo o governo, há 12 unidades em funcionamento (sete do governo federal e cinco de gestões estaduais do Maranhão e do Ceará).

Segundo o governo, nas unidades do programa, mulheres vítimas de violência têm direito a serviços como delegacia especializada; defensoria pública; apoio psicossocial; alojamento temporário; e serviços de saúde.

Após o evento desta segunda-feira, Cida Gonçalves reafirmou que o governo quer entregar até o fim de 2026 mais 40 casas do programa.
"Nós vamos construir ao longo dos próximos anos. […] Queremos em dois, três anos já entregar essas 40 casas", afirmou a ministra.

Segundo Cida Gonçalves, os recursos serão do próprio ministério e da pasta da Justiça, sem estarem incluídos no programa de infraestrutura que o governo deve lançar, chamado de "novo PAC".

Posts Relacionados

INSS alerta que salário-maternidade pode ser pedido gratuitamente e sem intermediários

INSS alerta que salário-maternidade pode ser pedido gratuitamente e sem intermediários

Solicitação pode ser feita pela própria trabalhadora pelo site do governo ou pelo aplicativo Meu INSS

Desmatamento tem queda de 40% na Amazônia, mas está em alta no Cerrado

Desmatamento tem queda de 40% na Amazônia, mas está em alta no Cerrado

Redução do desmatamento na Amazônia no primeiro trimestre é de 40% neste ano em comparação com o ano passado

Poder Público deve indenizar famílias de vítimas de tiroteios em operações policiais

Poder Público deve indenizar famílias de vítimas de tiroteios em operações policiais

Indenização não será devida se governos conseguirem provar que não houve participação de agentes de segurança em mortes

Brasil chega a 575 mil médicos ativos, vê número de mulheres aumentar e desigualdade persistir

Brasil chega a 575 mil médicos ativos, vê número de mulheres aumentar e desigualdade persistir

Dados mostram desigualdade na distribuição e fixação de profissionais, com menos médicos no interior e em cidades pequenas

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Ministério da Agricultura reconheceu que unidades federativas estão livres da doença

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Estudo coletou amostras de cabelo de 287 indígenas do subgrupo Ninam, e apontou que todos eles vivem sob exposição

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Grupo foi perseguido, torturado e expulso de suas terras – crimes reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

No Brasil, segundo Ministério da Saúde, 13 milhões de pessoas sofrem com alguma condição rara

pt_BRPortuguese