Voltar ao Início

Você está em:

Governo vai discutir nova cartilha que dificulta acesso da mulher ao aborto legal

Um dos objetivos é dificultar a interrupção de gravidez em caso de estupro. Proposta faz parte da agenda ideológica do governo
Amanda Omura

Amanda Omura

O secretário de Atenção Primária do Ministério da Saúde, Raphael Câmara, convocou uma audiência pública para semana que vem em que o objetivo oficial seria discutir uma nova cartilha com novas orientações sobre o aborto legal. Ministro Marcelo Queiroga já havia demonstrado intenção de debater a cartilha atual – que ignora o estatuto legal da interrupção da gravidez no Brasil.

No Brasil, o procedimento não é considerado crime, pela lei, em três situações: estupro, risco de vida à mãe e, desde 2012, o Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que a interrupção da gravidez é permitida para casos em que há má formação do cérebro em fetos.

O secretário do ministério, militante antiaborto, quer restringir no guia o acesso ao direito da mulher, ao estabelecer, por exemplo, o que seria o “rol de doenças que representam risco de vida para a mãe”, além de praticamente querer comprovar, com uma investigação policial, que a mulher foi estuprada antes de conceder seu direito a interromper à gestão.

Outro ponto é a desculpa do governo de querer discutir a “epidemiologia do aborto”: quais são, segundo o ministério, as principais causas de abortamento para tratar a causa.

Mas, no caso de estupro, as novas regras visam intimidar ainda mais as vítimas. Além da portaria de 2020, que orienta hospitais a avisarem autoridades policiais sobre o estupro – o que não prevê a lei – a discussão interna para a nova cartilha no ministério ainda coloca em dúvida a palavra da mulher sobre o abuso.

Por exemplo, o novo guia quer endurecer o procedimento para quando receber uma vítima de estupro, na prática, priorizando a investigação policial ao atendimento imediato, ao acolhimento à mulher violentada.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo não mexerá em questões previstas em lei, que isso não é é uma questão de saúde – mas que o secretário Câmara quer debater os critérios do aborto legal para, por exemplo, orientar hospitais.
“Queremos ajudar os hospitais a como procederem, em casos de aborto legal, e estudar a epidemiologia do aborto, para tratar as causas”.

Para especialistas, essa eventual mudança vai ser mais uma barreira e intimidação ao trabalho médico, para cumprir a lei.

Por fim, Queiroga diz que o “aborto não pode ser método de planejamento familiar” no Brasil, que existem outros anticoncepcionais.

Posts Relacionados

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Febre aftosa: 16 estados do Brasil e o DF não precisam mais vacinar bovinos contra a doença

Ministério da Agricultura reconheceu que unidades federativas estão livres da doença

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Em 9 comunidades Yanomami, 94% dos indígenas têm alto nível de contaminação por mercúrio

Estudo coletou amostras de cabelo de 287 indígenas do subgrupo Ninam, e apontou que todos eles vivem sob exposição

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Comissão de Anistia concede 1ª reparação coletiva, e Brasil pede desculpas a indígenas

Grupo foi perseguido, torturado e expulso de suas terras – crimes reconhecidos pela Comissão Nacional da Verdade

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

Pacientes buscam assistência jurídica para receber tratamento pelo SUS

No Brasil, segundo Ministério da Saúde, 13 milhões de pessoas sofrem com alguma condição rara

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Ministério da Saúde amplia vacinação da dengue para mais 154 cidades

Segundo a pasta, distribuição das doses começa a partir da nota técnica que será publicada nesta quarta (27)

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Pé-de-Meia: alunos do ensino médio já podem consultar se foram contemplados

Programa é voltado para alunos de 14 a 24 anos, regularmente matriculados no ensino médio da rede pública

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Só 3 das 100 cidades mais populosas do país universalizaram saneamento básico

Maringá (PR), São José do Rio Preto (SP) e Campinas (SP) são as únicas a ter ao menos 99% da população com acesso à água

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Casos de tuberculose crescem quase 10% na cidade de SP; alta no estado foi de 7,1%

Em todo o estado foram 20.547 registros oficiais da doença em SP no ano passado

pt_BRPortuguese