Voltar ao Início

Você está em:

3 razões que explicam força da economia do Peru

Em meio à grande turbulência política, a economia do Peru acumula quase 30 anos de uma trajetória de crescimento sustentado
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O Peru vive uma instabilidade política permanente. Desde 2017, o país teve seis presidentes.

Pedro Castillo foi o último a cair, dando lugar a Dina Boluarte, a primeira mulher a comandar o país na história.

A Economist Intelligence Unit (EIU), divisão de pesquisa e análise do grupo da revista The Economist, acaba de divulgar seu tradicional índice que avalia a "qualidade da democracia" pelo mundo e rebaixou o país sul-americano de "democracia com falhas" para a classificação "regime híbrido", ou seja, em que aparecem traços de autoritarismo.

  1. Independência do Banco Central
    Especialistas afirmam que a independência do Banco Central de Reserva do Peru (BCRP) e sua gestão da política monetária têm sido um dos pilares do equilíbrio econômico peruano.

Carolina Trivelli, pesquisadora do Instituto de Estudos Peruanos, disse à BBC Mundo que "a independência que a Constituição de 1993 deu ao BCRP permitiu que ele tivesse uma gestão muito técnica e profissional, totalmente independente do ciclo econômico e político".

  1. Modelo econômico blindado na Constituição
    O modelo econômico aplicado no Peru nos últimos anos foi o consagrado em sua Constituição de 1993.

Aprovada no governo de Alberto Fujimori e criticada por muitos, principalmente pela esquerda (que apontava deficiências democráticas), a Carta Magna lançou as bases para o crescimento que se seguiu à aprovação do texto constitucional e possibilitou a redução dos níveis de pobreza no país.

  1. Flutuação que ajuda a manter a moeda estável
    Waldo Mendoza ressaltou que, se observarmos o comportamento do câmbio na América Latina, o do Peru é um dos menos voláteis.
    Em outras palavras, a moeda peruana é uma das que menos vê seu valor flutuar em relação à moeda de referência, o dólar americano, e não apresenta tendência a desvalorizações acentuadas em momentos econômicos adversos típicos de outras economias da região.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese