Voltar ao Início

Você está em:

Biden anuncia nova ajuda militar de US$ 800 milhões à Ucrânia

Decisão foi divulgada durante entrevista após cúpula da Otan. Ajuda militar inclui defesa antiaérea, artilharia e outros equipamentos
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

No último dia da cúpula da Otan, em Madri, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou o envio à Ucrânia de uma ajuda militar de "mais de US$ 800 milhões" em defesa antiaérea, artilharia e outros equipamentos. O anúncio foi feito nesta quinta-feira (30) e o pacote será detalhado "nos próximos dias", de acordo com o chefe da Casa Branca. No encerramento do evento na Espanha, o presidente francês, Emmanuel Macron, saudou a adoção de um novo conceito estratégico da Aliança do Atlântico Norte.

Este "documento fundamental", aos olhos do presidente francês, "reconhece o novo ambiente de segurança criado pela agressão da Rússia contra a Ucrânia" e "consagra, também, a cooperação estruturante entre a União Europeia e a Otan", disse Macron na coletiva de imprensa ao final da cúpula.
“A Otan não está em guerra e a Rússia é a única responsável pelo conflito na Ucrânia, bem como pelas graves consequências que impõe ao mundo inteiro”, acrescentou o presidente francês.
"A Ucrânia não faz parte da Otan, mas a luta que ela trava para se defender é nossa" e ela se beneficiará, portanto, do apoio da Aliança "o tempo que for preciso", continuou Emmanuel Macron.

China critica Otan
Em seu documento intitulado "Conceito Estratégico" e que não era revisto desde 2010, a Otan afirmou que a China representa um "desafio" para os interesses e a segurança dos países da Aliança. "As ambições declaradas e as políticas coercitivas da República Popular da China desafiam nossos interesses, segurança e valores", aponta o documento da Otan.

Esta foi a primeira vez que o texto fez referência à China, que não era tradicionalmente mencionada na missão da Otan. Uma prova da crescente preocupação com a China foi a participação no encontro de cúpula, pela primeira vez, de funcionários dos governos do Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia. "A China não é um adversário", insistiu, no entanto, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg.
Porém, como era esperado, o documento foi criticado por Pequim.

Posts Relacionados

Fogo avança sem controle na Califórnia

Fogo avança sem controle na Califórnia

Chamas anteciparam temporada de incêndios no estado dos EUA. Ventos e baixa visibilidade tornam esforços para apagar fogo 'inúteis'

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

pt_BRPortuguese