Voltar ao Início

Você está em:

Como a guerra na Ucrânia pode se estender para a Transnístria?

Com apenas cinco mil quilômetros quadrados e 470 mil habitantes, tornou-se foco de atenção e pode ser sugada para a guerra
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Três misteriosas explosões atingiram, nos últimos dias, alvos na Transnístria, uma região separatista pró-russa da Moldávia, na fronteira sul da Ucrânia. Com apenas cinco mil quilômetros quadrados e 470 mil habitantes, tornou-se foco de atenção e pode ser sugada para a guerra que Putin promove há dois meses na Ucrânia.

A independência proclamada em 1992, após a desintegração da URSS, não é oficialmente reconhecida por ninguém, nem mesmo pela Rússia, mas a região atua como um estado separado.

Preserva símbolos soviéticos, como a foice e o martelo na bandeira, a estátua de Lênin na entrada do Parlamento, assim como nomes de comunistas proeminentes em suas ruas.

Essa faixa estreita de terra tem governo, parlamento, moeda e polícia próprios e é sustentada pela Rússia, que fornece gás gratuito à região e mantém ali 1.500 soldados – o equivalente a um terço de suas forças armadas.
Não fossem os laços estreitos com Moscou, a Transnístria já teria sido inteiramente absorvida pela Moldávia, que se opõe claramente aos separatistas. Os ataques na região atingiram uma estação de rádio, a sede do Ministério de Segurança e uma base militar, num indício de que a guerra restrita ao território ucraniano pode se espalhar.
Separatistas e autoridades ucranianas se acusam mutuamente pela responsabilidade das explosões. A Rússia já admitiu o plano de criar um corredor de Donbass à Crimeia, para depois tomar o sul da Ucrânia e garantir, assim, o acesso à Transnístria. Mas, para assegurar o controle total do Sul, as forças russas teriam que conquistar Mykolaiv e Odessa, que ainda estão fortemente sob o domínio ucraniano.

A distância de apenas 80 quilômetros separa Chisnau, a capital da Moldávia, da Transnístria evidencia os temores sobre a extensão do conflito. Os tão propalados ataques de “bandeira falsa” poderiam facilmente servir de justificativa para uma ação militar russa.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese