Voltar ao Início

Você está em:

Deputados do Irã apresentam condições para reativar acordo nuclear

A carta aponta que os representantes dos EUA e da Europa deveriam garantir que não acionariam o "mecanismo de retrocesso"
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Parlamentares iranianos estabeleceram seis condições para o renascimento do acordo nuclear iraniano de 2015 com potências globais em uma carta ao presidente Ebrahim Raisi publicada neste domingo (20), informou a agência estatal Irna.

O parlamento não votou nas condições propostas e o líder supremo aiatolá Ali Khamenei, que conta com o apoio da linha-dura no comando do legislativo, tem a palavra final sobre a política nuclear do Irã e todos os outros assuntos de Estado.
"Temos que aprender uma lição com experiências passadas e colocar uma linha vermelha no interesse nacional ao não nos comprometermos com nenhum acordo sem antes obter as garantias necessárias", explicam os parlamentares na carta.
A declaração surge em meio às etapas finais de negociação para reativar um acordo nuclear de 2015 de Viena, que pode levar a um acordo "muito em breve", segundo um alto funcionário da União Europeia.

Tais condições colocadas pelos parlamentares em um momento crucial correm o risco de restringir o espaço de manobra dos negociadores iranianos em Viena e colocar em risco um acordo final.

EUA pressionam
A Casa Branca pressionou publicamente o Irã a retomar rapidamente o acordo nuclear firmado em 2015. Governo americano diz que será impossível retornar ao pacto se um acerto não for confirmado em semanas.
"Nossas conversas com o Irã chegaram a um ponto urgente", disse a porta-voz da Casa Branca Jen Psaki a repórteres.
Recentemente, o enviado especial dos EUA para o Irã, Rob Malley, retornou a Viena (Áustria) para negociações indiretas com o Irã.

"Um acordo que aborda as principais preocupações de todos os lados está à vista, mas se não for alcançado nas próximas semanas, os avanços nucleares em andamento do Irã tornarão impossível retornarmos ao pacto", disse ela.
Os comentários da porta-voz Jen Psaki repetem os de uma autoridade graduada do Departamento de Estado dos EUA que disse a repórteres em 31 de janeiro que "nos restam apenas algumas semanas" para retomar o acordo.

Posts Relacionados

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira (17) que invadir e conquistar Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia e onde suas tropas têm

pt_BRPortuguese