Voltar ao Início

Você está em:

Esquerda negocia união para legislativas na França

Uma esquerda dividida, desde o centro à ala mais radical, apresentou seis candidatos à eleição, mas não chegaram ao segundo turno
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Após ficar de fora do segundo turno da eleição presidencial francesa, os partidos de esquerda intensificaram, nesta segunda-feira (2), seus esforços para se apresentarem unidos nas legislativas de junho e tentarem condicionar as políticas do mandatário reeleito, o liberal Emmanuel Macron.
"Podemos falar de um acordo histórico", indicou, nesta segunda, à rádio France Inter, o diretor de campanha do França Insubmissa (LFI, esquerda radical), Manuel Bompard, após um primeiro acordo alcançado com os ecologistas, enquanto seguem negociando com os comunistas e com os socialistas.

Bompard deseja que o acordo com o Europa Ecológica-Os Verdes (EELV), fechado no domingo à noite (1), "seja o início de uma dinâmica" que tem como objetivo "encarar as próximas eleições legislativas com uma perspectiva majoritária e ganhá-las".

Uma esquerda dividida, desde o centro à ala mais radical, apresentou seis dos 12 candidatos à eleição presidencial de abril, mas não conseguiu chegar ao segundo turno. Esse, como em 2017, viu um duelo entre o mandatário centrista Emmanuel Macron e a ultradireitista Marine Le Pen.

O candidato da LFI, Jean-Luc Mélenchon, reforçado pelo reflexo do "voto útil" de uma parte dos eleitores da esquerda, conseguiu quase 22% dos votos no primeiro turno, ficando a 1,2% e a 420.000 votos da segunda classificada, Le Pen.

Mélenchon tenta agora aproveitar esse impulso nas eleições legislativas.

A oposição a Macron apresentou as eleições de 12 e de 19 junho como um "terceiro turno" da presidencial, sobretudo porque sua reeleição aconteceu em parte pelos eleitores de esquerda que votaram no presidente para impedir a chegada ao poder de sua rival de extrema-direita.

A maioria dos franceses, segundo duas pesquisas publicadas, também deseja que o mandatário centrista perca a maioria no Parlamento.

Posts Relacionados

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

pt_BRPortuguese