Voltar ao Início

Você está em:

EUA matam líder de milícia apoiada pelo Irã

Ataque desta quarta-feira (7) faz parte de resposta do país norte-americano ao bombardeio que matou três soldados na Jordânia
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Os Estados Unidos mataram um dos líderes da milícia armada Kataib Hezbollah, apoiada pelo Irã, com um bombardeio de drone em Bagdá, capital do Iraque, nesta quarta-feira (7), segundo a Reuters.

O Pentágono confirmou que o homem morto era um líder do Kataib Hezbollah, milícia armada que integra as Brigadas Hezbollah e que seria responsável pelo ataque com drone na Jordânia no mês passado, que matou três soldados americanos e feriu mais de 40.
"As forças norte-americanas realizaram um ataque unilateral no Iraque em resposta aos ataques contra os militares norte-americanos, matando um comandante do Kataib Hezbollah responsável pelo planejamento direto e pela participação em ataques contra as forças norte-americanas na região", afirmou um comunicado das Forças Armadas dos EUA.

O bombardeio desta quarta (7) faz parte uma série de ataques do governo norte-americano, de Joe Biden, tem realizado como resposta ao ataque de drone na Jordânia. O governo iraniano afirmou que revidaria qualquer ataque feito pelos EUA.
Desde então, os Estados Unidos já fez alguns bombardeios. Com tensões elevadas, há uma preocupação com a possibilidade de uma piora generalizada dos conflitos no Oriente Médio.

O comunicado das Forças Armadas não menciona o nome do comandante do Kataib Hezbollah morto e informa que não há indícios de vítimas civis.

Duas fontes de segurança ouvidas pela Reuters sob a condição de anonimato disseram que o comandante morto seria Abu Baqir al-Saadi, que estava dentro de um veículo no leste de Bagdá.

Uma das fontes ouvidas pela Reuters afirmou que três pessoas estavam no veículo atacado e morreram. Ainda segundo a fonte, o veículo era usado pelas Forças de Mobilização Popular (PMF, em inglês) do Iraque, uma agência de segurança composta por dezenas de grupos armados, muitos deles próximos do Irã.

De acordo com oficiais dos EUA ouvidos pelo NY Times, o ataque foi um golpe "dinâmico" no comandante da milícia, que já era monitorado pela inteligência norte-americana. Os oficiais ainda indicaram que o país poderia atacar outros líderes e comandantes de milícias xiitas futuramente.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese