Voltar ao Início

Você está em:

EUA negam ter fornecido armas para guardas sauditas

ONG Human Rights Watch afirma que forças da Arábia Saudita dispararam e mataram milhares de etíopes que tentavam cruzar a fronteira
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A Casa Branca negou nesta segunda-feira (21) que tenha fornecido as armas usadas por guardas da Arábia Saudita para matar imigrantes na fronteira ou treinado os policiais.

Um relatório divulgado também nesta segunda pela ONG Human Rights Watch apontou que forças sauditas que policiam fronteiras atiraram e mataram milhares de cidadãos da Etiópia que tentavam entrar na Arábia Saudita, a maioria fugindo de conflitos internos.

Os Estados Unidos são o principal país fornecedor de armas para a Arábia Saudita e também fazem treinamentos constantes com forças do país.

Por isso, logo após a divulgação do relatório, que revela assassinatos à queima-roupa por parte dos guardas sauditas, o Departamento de Estado dos Estados Unidos se declarou sobre o documento.

Um porta-voz do departamento disse que cobrou uma posição do governo da Arábia Saudita sobre as acusações, "muito preocupantes". Mas, na mesma declaração, negou que as armas usadas nos crimes sejam norte-americanas.
"Levamos nossas preocupações sobre essas acusações ao governo saudita. Pedimos às autoridades sauditas que façam uma investigação completa e transparente e também cumpram suas obrigações sob o direito internacional", disse o porta-voz.
"A administração (dos EUA) não forneceu/aprovou a venda de armas aos guardas de fronteira terrestre implicados no relatório (…). Os guardas de fronteira não participam de nenhum treinamento".

Os Estados Unidos são aliados antigos da Arábia Saudita, produtora de petróleo, na área de segurança, mas mantêm uma relação tensa na área dos direitos humanos.

Relatório da Human Rights Watch
O relatório da HRW é baseado em entrevistas com 38 migrantes etíopes que tentaram cruzar a Arábia Saudita a partir do Iêmen, e em imagens de satélite, vídeos e fotos nas redes sociais, ou de outras fontes.

As acusações do relatório da ONG apontam para uma grande escalada de abusos ao longo da perigosa "Rota Oriental" do Chifre da África à Arábia Saudita, onde centenas de milhares de etíopes vivem e trabalham.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese