Voltar ao Início

Você está em:

Fábrica de trolls ajudou Trump nas eleições 2016

Aliado de Putin, chefe do grupo Wagner criou campanha de desinformação massiva para prejudicar Hillary Clinton, revelou investigação
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Até articular no fim de semana a fracassada rebelião armada e balançar os alicerces do centro de poder na Rússia, Yevgeny Prigozhin serviu fielmente aos interesses de Vladimir Putin. Como dono de uma empresa de catering que abastecia o Kremlin e transformado em oligarca, nas últimas três décadas ele diversificou os negócios para conspirar contra a democracia dentro e fora da Rússia.

Criou uma força militar de mercenários, atuando na Ucrânia e países do Oriente Médio e da África, e assumiu o papel de liderança na interferência russa nas eleições americanas de 2016, que projetaram Donald Trump ao comando dos EUA.

O chefe do Grupo Wagner se gabou de ter orquestrado uma operação para influenciar a política americana com uma gigantesca campanha online, promovida pela empresa Internet Research Agency (IRA na sigla em inglês), com sede em São Petersburgo, também conhecida como “fazenda de trolls”.

Na véspera das eleições de meio de mandato nos EUA, em novembro passado, ele admitiu pela primeira vez o papel no conluio para ajudar Trump e minar a candidatura de Hillary Clinton e disse que repetiria a ação se necessário.

Em 2018, Prigozhin foi acusado, com outros 12 russos e três empresas, pelo promotor especial Robert Mueller e por um grande júri de interferir nas eleições americanas. Um mandado de prisão foi emitido contra ele nos EUA, assim como sanções financeiras, aplicadas também pelo Reino Unido e pela União Europeia.

Da mesma forma como recrutou mercenários em prisões para atuar na frente de batalha ucraniana, Prigozhin contratou um exército de funcionários russos, fluentes em inglês, para disseminar mentiras e desinformação, no período que antecedeu as eleições de 2016, por meio de contas falsas nas plataformas de mídia social dos EUA.

A agência criada por Prigozhin operava supostamente por meio de empresas de fachada russas e tinha a seu dispor um orçamento milionário, segundo a acusação.

Posts Relacionados

Fogo avança sem controle na Califórnia

Fogo avança sem controle na Califórnia

Chamas anteciparam temporada de incêndios no estado dos EUA. Ventos e baixa visibilidade tornam esforços para apagar fogo 'inúteis'

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

pt_BRPortuguese