Voltar ao Início

Você está em:

Guiana: uma das economias que mais crescem

Descoberta de petróleo na região de Essequibo foi pivô para mudar status do país, mas a maior parte da população ainda é pobre
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Apesar da herança de exploração com colonizações de holandeses e ingleses, a Guiana é um dos países que mais crescem no mundo atualmente. O país sempre foi um dos mais pobres da América do Sul, mas isso começou a mudar a partir de 2015, com a descoberta de petróleo na região de Essequibo.

Por causa do petróleo, a Guiana é hoje o país que mais cresce no mundo, a números impressionantes. Apenas no ano passado, o crescimento foi de 62%.

Com uma reserva de 11 bilhões de barris de petróleo, Essequibo é alvo do presidente venezuelano Nicolás Maduro, que aprovou no início do mês referendo para anexar a área à Venezuela. Os governos dos dois países vão sentar para falar sobre a região na próxima quinta-feira (14) e o presidente Lula foi convidado.

Em teoria, a média do PIB da Guiana é a quarta maior do continente, atrás apenas dos Estados Unidos, Canadá e Bahamas.

Apesar disso, a concentração de renda ainda é grande: a maior parte da população continua pobre e há denúncias de corrupção interna. Todo o petróleo encontrado na Guiana está no mar da província de Essequibo.

Interesses dos EUA
Na disputa pelo Essequibo, cada movimento dos protagonistas Venezuela e Guiana é acompanhado com atenção desde o referendo venezuelano pela anexação do território, realizado no início de dezembro.

No sábado (9/12), os presidentes da Venezuela, Nicolás Maduro, e da Guiana, Irfaan Ali, concordaram em realizar uma reunião sobre a disputa territorial.

No entanto, os olhos do mundo, em especial da América Latina, não estão pregados só nos dois países; os Estados Unidos, assim como o Brasil, é outro protagonista desta crise diplomática.

O governo americano é um aliado político e econômico poderoso da Guiana, enquanto a Venezuela segue em frágeis negociações pelo alívio das sanções econômicas dos Estados Unidos em troca de concessões eleitorais e garantias de direitos humanos.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese