Voltar ao Início

Você está em:

Há risco de desastre em usina nuclear na Ucrânia

Usina de Zaporizhzhia, a maior da Europa, foi alvo de bombardeios na sexta-feira e no sábado, que danificaram sensores de radiação
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Moscou e Kiev voltaram a trocar acusações neste domingo (07/08) por novos bombardeios na usina nuclear de Zaporizhzhia, a maior da Europa, atualmente sob controle russo. No dia anterior, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), ligada à ONU, já havia apontado um "risco muito real de desastre nuclear" na instalação, que fica no sudeste da Ucrânia.

A companhia nuclear ucraniana Energoatom disse que ataques realizados na noite de sábado por militares russos danificaram três sensores de radiação da usina, e que um funcionário foi ferido por estilhaços e hospitalizado. Segundo a empresa, o bombardeio atingiu as instalações de armazenamento seco, onde ficam 174 containers com tubos de combustível nuclear já usados.
"Como resultado [do ataque], a detecção e reação rápida em caso de deterioração no status da radiação ou de vazamento de radiação dos containers (…) não são possíveis no momento", disse a Energoatom, que acusou os militares russos de "atos de terrorismo nuclear".
A Rússia, por sua vez, afirmou que militares ucranianos haviam atingido a instalação usando um sistema Uragan de lançamento múltiplo de foguetes de 220 mm. "Os edifícios administrativos e a área adjacente à instalação de armazenamento foram danificados" e os projéteis caíram "no raio de 400 metros de um reator em funcionamento", afirmaram autoridades russas que controlam a cidade de Enerhodar, onde fica a usina, segundo a agência estatal de notícias russa Interfax.
Não foi possível confirmar de forma independente as alegações dos dois lados em conflito.

Na quarta-feira, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, afirmou que a usina, que segue sendo administrada por técnicos ucranianos, estava "extremamente vulnerável" a um colapso e que todas as medidas de segurança haviam sido "violadas" pelas forças russas.

Grossi relatou que os funcionários ucranianos sob comando dos ocupantes russos não estavam conseguindo cumprir adequadamente suas funções e enfrentavam ameaças de violência.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese