Voltar ao Início

Você está em:

Maduro avança em sua ofensiva para asfixiar ONG

Projeto de lei já aprovado em primeira instância visa a restringir e criminalizar entidades que são essenciais para denunciar regime
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Há 24 anos no poder, o regime chavista consolida o controle sobre as organizações não governamentais, ao aprovar, no primeiro debate, um projeto de lei que criminaliza e impõe restrições ao trabalho dessas entidades. Em sua maioria, elas são essenciais e atuam para denunciar os excessos e as arbitrariedades do governo, que já exerce domínio sobre os poderes Legislativo e Judiciário e eliminou boa parte da mídia independente.

Como justificativa, Diosdado Cabello, considerado o número 2 de Nicolás Maduro, disse ter identificado pelo menos 62 ONGs que operam com fins “absolutamente políticos”. “Elas recebem financiamento de outras nações, de outros governos com o objetivo de impor sua democracia”, afirmou ele no plenário da Assembleia Nacional, de maioria chavista.

A perseguição às ONGs é um denominador comum em autocracias como Cuba, Nicarágua, Rússia e China, para citar apenas algumas, que já aprovaram leis semelhantes para reprimi-las. Sob legislações rigorosas, essas entidades acabam asfixiadas e sem recursos para sobreviver.
No caso venezuelano, o projeto de lei apresentado por Cabello especifica multas de até US$ 12 mil para as que não cumprirem as exigências do governo. O vice-presidente citou ONGs que qualifica como fachadas, entre as quais a Provea, criada há 34 anos para defender o respeito pelos direitos humanos.
“Nosso trabalho não tem três dias. Capacitamos 5.800 pessoas e defensores da Venezuela”, informa a ONG, que já representou mais de 2 mil acusados em processos na Justiça. “Vamos seguir pelas vítimas de graves violações e pela dignidade humana”, avisa a Provea

O escopo das ONGs inclui ainda uma enorme rede assistencial que provê refeitórios populares, ações em escolas e medicamentos gratuitos e funcionam como janelas de apoio para os venezuelanos, observa o coordenador Rafael Uzcátegui. Tudo isso está sob risco com a ofensiva do regime de Maduro.

No plenário da Assembleia, Cabello explicou que o objetivo não é eliminar as entidades, mas pôr ordem no setor. A Anistia Internacional condenou o projeto, que, se aprovado, vai submetê-las a medidas abusivas e processos criminais.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese