Voltar ao Início

Você está em:

Nikki Haley parte para o tudo ou nada contra Trump

Única desafiante ao ex-presidente na disputa republicana, ex-embaixadora da ONU passa a criticá-lo, para tentar reduzir a vantagem dele
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Como remanescente desafiante a Donald Trump na corrida pela indicação republicana à Casa Branca, a ex-embaixadora da ONU Nikki Haley parte para o tudo ou nada nas primárias de New Hampshire, nesta terça-feira (23), sabendo que as expectativas de uma vitória são baixas.

Um resultado razoável seria estreitar a vantagem do ex-presidente para ganhar impulso até as prévias em seu estado natal, a Carolina do Sul, onde foi governadora em dois mandatos.

Na esperança de conseguir aglutinar os opositores de Trump no partido e os eleitores independentes, para obter um bom desempenho em New Hampshire, Haley mudou de estratégia nos últimos dias e passou a confrontá-lo abertamente.

Questionou a sua aptidão mental — Trump trocou seu nome com o da ex-presidente da Câmara Nancy Pelosi — e criticou-o por mentir e tentar fazer amizade com ditadores que querem matar os americanos.

Esse esforço de resistência a Trump, contudo, chega tarde para ela. Única mulher entre os pré-candidatos republicanos, Haley evitou criticar o concorrente favorito, embora tenha sido alvo de seus ataques racistas e sexistas.

E errou feio quando recusou-se a dizer que a escravidão foi o principal causador da Guerra Civil, assegurando que os EUA nunca foram um país racista.

A ex-governadora preferiu se apresentar aos eleitores como a melhor alternativa a uma revanche entre Trump e Biden, que define como “mais do mesmo”, e apelou para o fator idade e para uma mudança geracional na Presidência dos EUA.

“Queremos realmente ter dois candidatos na casa dos 80 anos?”, questionou, aos 52 anos.

Como os demais concorrentes republicanos, que acabaram desistindo da disputa, Haley sofreu bullying de Trump. Filha de imigrantes indianos e nascida Nimarata Nikki Randhawa, foi alvo de piadas e foi chamada de burra pelo ex-presidente.

Ainda assim, ela disse que o perdoaria, caso fosse presidente dos EUA e ele, condenado pela Justiça por 91 acusações em quatro processos.

Posts Relacionados

Fogo avança sem controle na Califórnia

Fogo avança sem controle na Califórnia

Chamas anteciparam temporada de incêndios no estado dos EUA. Ventos e baixa visibilidade tornam esforços para apagar fogo 'inúteis'

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

pt_BRPortuguese