Voltar ao Início

Você está em:

Paraguai: vitória de Santiago Peña é exceção

O conservadorismo e a oposição desunida seriam apenas alguns dos motivos para o resultado das eleições paraguaias mais recentes
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

No domingo passado (30), a maioria do eleitorado paraguaio voltou a optar por um candidato à presidência do tradicional Partido Colorado, fundado no século 19, logo após a Guerra do Paraguai (1864-1870) e que está no poder, de forma quase ininterrupta, há quase 80 anos, desde 1946.

Mas por que a vitória de Santiago Peña é exceção entre as chamadas "ondas de esquerda" ou de "centro-esquerda" na América Latina? Analistas ouvidos pela BBC News Brasil disseram que o eleitor paraguaio possui o perfil predominantemente conservador.
"As mudanças são difíceis para o paraguaio", disse Esteban Caballero, professor da Flacso, falando de Assunção.

Na sua visão, o Paraguai é um país conservador. "Ao contrário do Chile, do Brasil, da Colômbia, de Honduras, não houve alternância e muito menos, digamos, uma guinada à esquerda. Em 2017, 2018, houve uma guinada (regional) à direita e agora dizem que existe uma guinada à esquerda. Mas não foi o caso do Paraguai. Não é o caso do Paraguai", disse.

Uma oposição "desunida", na opinião do sociólogo paraguaio José Carlos Rodríguez, acabou contribuindo para a nova vitória dos "Colorados", como são chamados os que integram o Partido Colorado.

"No Brasil, Lula reuniu vários setores, até adversários políticos, e assim venceu Bolsonaro. Aqui no Paraguai não foi assim. Se Paraguayo Cubas estivesse na Concertación (liderada por Efraín Alegre), a oposição teria vencido. Agora, o resultado de domingo, por mais que existam queixas, é inquestionável", disse Rodríguez.

Nos últimos anos, a Bolívia elegeu o presidente Luis Arce (2020), os chilenos elegeram o presidente Gabriel Boric (2021), os peruanos elegeram Pedro Castillo (que assumiu em 2021 e não concluiu o mandato) e a Colômbia elegeu Gustavo Petro, o primeiro presidente de esquerda do país, no ano passado. No Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu vitorioso na eleição com o ex-presidente Jair Bolsonaro.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese