Voltar ao Início

Você está em:

Por que esta semana pode selar o futuro de Biden

A reunião de líderes da Otan vai aumentar o escrutínio sobre o presidente — será uma trégua ou sua última batalha?
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

Esta semana pode selar o futuro de Joe Biden. Doze dias depois da performance vacilante no último debate, que pode ser lembrada como uma das mais desastrosas da história americana moderna, o presidente democrata luta pela sobrevivência política sob intenso escrutínio interno e internacional. A reunião de cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) desta semana em Washington D.C. pode oferecer uma trégua temporária — ou ser a última batalha deste presidente. Nos últimos dias, Biden atacou seus críticos, reivindicou o mandato dos eleitores democratas nas primárias e desafiou os oponentes a seguir em frente e tentar derrubá-lo. Ele prometeu repetidamente que está avançando com sua campanha e que a temporada de dúvidas e lamentações acabou. Esse passo à frente vai ser dado na reunião da Otan. Biden vai receber os líderes da aliança militar para três dias de reuniões e eventos públicos, culminando em uma coletiva de imprensa individual na tarde de quinta-feira (11). É um palco no qual Biden, um homem versado em relações exteriores, deveria se sentir confortável. Mas também aumenta os riscos, que já são elevados, para sua presidência, dado que um desempenho fraco vai ter repercussões internas e internacionais. Um deslize pode dar início a uma debandada política entre os democratas, que acabaria com sua esperança de chegar às eleições gerais de novembro, quanto mais de vencê-las. Poderia também aumentar as preocupações dos aliados europeus que temem a possibilidade cada vez maior de um novo governo de Donald Trump, e as mudanças drásticas na política externa que viriam junto. Líderes estrangeiros preocupados É sabido que muitos líderes europeus estão preocupados com Trump e sua estratégia de política externa. O ex-presidente menosprezou as alianças internacionais multilaterais. Mas Berzina afirma que, nas últimas duas semanas, esses líderes vivenciaram algo novo — a ansiedade em relação a Biden.

Posts Relacionados

G7: líderes de países racham sobre aborto

G7: líderes de países racham sobre aborto

Apoio financeiro à Ucrânia é o principal tema do encontro, na Itália, que tem presença do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Acordo autoriza entrada da Ucrânia na Otan

Zelensky tem planos para que a Ucrânia entre na Otan já faz tempo, mas com a guerra, perdeu apoio dos países que compõem o grupo

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

Por que Macron pode dissolver o Parlamento na França?

A medida ocorreu depois da derrota do partido de Emmanuel Macron para de Le Pen nas eleições do Parlamento Europeu

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Temos mais armas nucleares que a Europa toda, diz Putin

Presidente russo afirmou também estar certo de sua vitória na guerra da Ucrânia, mas disse estar aberto a negociações de paz

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

pt_BRPortuguese