Voltar ao Início

Você está em:

Qual a chance de insurgência popular ucraniana contra o exército russo?

Algumas cenas sugerem que a guerra dos ucranianos contra o invasor russo já tem um caráter insurrecional, irregular ou de guerrilha
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, conclama compatriotas a resistir à invasão russa até o autossacrifício. O ex-presidente Petro Poroshenko empunha, em entrevista de TV, um fuzil AK-47. Uma fábrica de cerveja anuncia que migrou da produção de bebidas para a de coquetéis molotov. Um morador de Lviv mostra uma submetralhadora e diz que é adequada para o combate casa a casa. O autoproclamado porta-voz de um certo Movimento de Resistência Ucrânia Livre diz contar com cerca de mil guerrilheiros camuflados "atrás das linhas inimigas" - em Mariupol, Sumy, Kharkiv e Irpin.

Essas e outras cenas, exibidas ou descritas pela imprensa nos últimos 18 dias, sugerem que a guerra dos ucranianos contra o invasor russo já tem um caráter insurrecional, irregular ou de guerrilha.

Nas galerias de honra de museus e memoriais, soldados profissionais figuram lado a lado com guerrilheiros - homens e mulheres - que nunca pisaram em academias militares.
Esse passado é visto por alguns como um indício de que a invasão determinada pelo presidente russo, Vladimir Putin, terá o mesmo destino de campanhas como as ocupações soviética e norte-americana no Afeganistão e norte-americana no Iraque: exuberantes operações militares incapazes de vencer inimigos fracos, mas flexíveis e com moral elevada.

Esse passado é visto por alguns como um indício de que a invasão determinada pelo presidente russo, Vladimir Putin, terá o mesmo destino de campanhas como as ocupações soviética e norte-americana no Afeganistão e norte-americana no Iraque: exuberantes operações militares incapazes de vencer inimigos fracos, mas flexíveis e com moral elevada.

Um dia depois de os tanques russos cruzarem a fronteira, o especialista em inteligência Douglas London escreveu na revista Foreign Affairs que a estratégia ucraniana "não depende de repelir uma invasão russa, mas sim em fazer Moscou sangrar a ponto de tornar a ocupação insustentável".

Posts Relacionados

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira (17) que invadir e conquistar Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia e onde suas tropas têm

pt_BRPortuguese