Voltar ao Início

Você está em:

Rússia expulsa vice-embaixador americano de Moscou

Ainda de acordo com a RIA, fontes da embaixada americana em Moscou afirmaram que o governo de Washington responderá à medida
Picture of Amanda Omura

Amanda Omura

A Rússia expulsou do país o vice-embaixador dos Estados Unidos em Moscou, Bartle Gorman, nesta quinta-feira (17), segundo informações das agências internacionais de notícias.

Inicialmente, o caso havia sido noticiado pela agência russa RIA, e em seguida foi confirmado pela agência Reuters com um porta-voz do Departamento de Estado americano.

Ainda de acordo com a RIA, fontes da embaixada americana em Moscou afirmaram que o governo de Washington responderá à medida.

Não há, até a última atualização desta reportagem, informações sobre a justificativa usada pela Rússia para esta expulsão ou quais medidas os EUA pretendem tomar.

O anúncio foi feito em um momento que os EUA acusam a Rússia de planejar uma invasão à Ucrânia, o que Moscou nega.

Nesta quinta-feira, os americanos afirmaram que a Rússia não tem cumprido com os anúncios de que vem retirando sua presença militar nas fronteiras e que inclusive tem avançado na direção contrária.

Mais de 100 mil soldados russos estão mobilizados na área que o país faz fronteira com a Ucrânia para a realização de exercícios militares.

'Invasão iminente'
A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, disse nesta quinta-feira que Rússia se dirige para uma "invasão iminente" da Ucrânia, apesar dos anúncios de retirada de tropas.
A diplomata disse ter pedido ao secretário de Estado americano, Antony Blinken, para participar, assim como ele, da reunião do Conselho de Segurança da ONU desta quinta sobre a Ucrânia.

"[Quero] sinalizar nosso intenso compromisso com a diplomacia, oferecer e enfatizar o caminho para a desescalada e deixar claro ao mundo que estamos fazendo tudo – tudo – que podemos para evitar uma guerra", disse Thomas-Greenfield.

Aumento de tropas
Nesta quinta, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, reforçou a tese de que a Rússia não tem diminuído a presença de suas tropas na fronteira.

Austin afirmou que documentos da Inteligência americana mostram indícios de que a Rússia esteja estocando suprimentos de sangue e suas tropas estejam se aproximando da Ucrânia.

Posts Relacionados

Eleições no Parlamento Europeu começam

Eleições no Parlamento Europeu começam

A eleição para o Parlamento Europeu é a segunda maior votação do mundo. Espera-se que a participação neste ano seja a maior da história

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Biden tenta reforçar aliança com europeus

Presidente dos EUA chegou a Paris para participar das celebrações pelos 80 anos do Dia D. Ele se reunirá com o rei Charles III

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Claudia Sheinbaum influencia eleições dos EUA

Presidente eleita assumirá o cargo um mês antes do pleito americano. Biden e Trump duelam para controlar a narrativa sobre migrantes

África do Sul tem eleições mais acirradas

África do Sul tem eleições mais acirradas

Serão eleitos 400 deputados nomeados proporcionalmente, indicados por 50 partidos. O novo Parlamento nomeará o próximo presidente

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Gema de ovo é boa para a memória? Sal é vilão? O que ajuda na saúde do cérebro

Peixes gordos, oleaginosas, frutas e vegetais escuros contêm propriedades importantes para o nosso cérebro

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Forças de Israel e do Egito trocam tiros em fronteira

Sites locais falam ainda de um soldado egípcio morto. Exército de Israel confirma que houve um "incidente" na fronteira

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Acaba mandato de Zelensky, mas continua presidente

Terminou oficialmente na segunda-feira (20) o mandato do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Apesar disso, ele seguirá como chefe do Executivo do país. Em guerra

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

Putin nega planos de invadir Kharkiv, na Ucrânia

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta sexta-feira (17) que invadir e conquistar Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia e onde suas tropas têm

pt_BRPortuguese